Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
6

Lapedo volta à ribalta

A história contada no livro ‘O Clã do Urso das Cavernas’ (editado pela Esfera dos Livros), da escritora norte-americana Jean M. Auel, podia ter acontecido em Portugal, mais propriamente em Leiria, no Vale do Lapedo. Foi lá que, em 1998, se encontrou o esqueleto de um menino com cerca de 25 mil anos, uma das descobertas mais importantes para a comunidade científica mundial. Ainda hoje, o ‘Menino do Lapedo’ gera polémica entre arqueólogos e antropólogos, por julgar tratar-se da prova do cruzamento entre o Cro-magnon, a espécie mais próxima do homem moderno, e o Neandertal.
3 de Junho de 2006 às 00:00
O achado arqueológico conhecido como o Menino de Lapedo
O achado arqueológico conhecido como o Menino de Lapedo FOTO: d.r.
A autora, porém, não faz um relato sobre a miscigenação das duas espécies. Jean M. Auel conta-nos as aventuras de uma criança Cro-magnon adoptada por uma tribo Neandertal e como sobrevive entre indivíduos inferiores.
Esta é apenas uma das muitas verdades científicas existentes no livro – já foi considerado literatura obrigatória nos cursos da especialidade –, agora lançado em Portugal e que já vendeu milhares de exemplares em todo o Mundo. É certo e sabido que ambas as espécies conviveram no mesmo período, mas a teoria do cruzamento entre as duas, no entanto, ainda carece de validação.
Francisco Almeida, arqueólogo português, responsável pela investigação e valorização do Abrigo do Lagar Velho (Vale do Lapedo), defende a teoria da miscigenação entre as duas espécies, mas reconhece que “ainda não está provada inequivocamente”. “É uma criança e não é o melhor dos exemplos. Se fosse puramente Neandertal, não teria aquele aspecto e se fosse meramente moderna também não seria assim. Quem contesta que apresente uma alternativa, sem ser a hibridação”, responde Francisco Almeida, para quem a busca pelo exemplar ainda não terminou: “Ele deve andar por aí. Na Roménia existe um crânio, da mesma altura e parece ter características que comprovem isso”.
Uma das vozes mais críticas em relação à ‘teoria’ da miscigenação é a antropóloga Eugénia Cunha. Sem retirar valor ao achado – “é a mais importante descoberta paleontológica alguma vez feita em Portugal” –, a especialista refuta o cruzamento entre espécies: “É difícil provar o que quer que seja com um esqueleto de uma criança de 4 anos ainda em formação. Existem vários exemplos actuais e não são de neandertais”.
SOBRE O LIVRO
‘OS FILHOS DA TERRA’
O livro que agora chega a Portugal é o primeiro de cinco da colecção ‘Os Filhos da Terra’. ‘O Clã do Urso das Cavernas’, apresentado ao Mundo em 1980, surgiu de uma pequena história inventada pela autora que já está a trabalhar no sexto volume.
FILME FRAQUINHO
Jean M. Auel, em videoconferência com jornalistas portugueses, comentou a versão cinematográfica: “A escolha da Daryl Hannah foi boa, mas o resultado final foi fraquinho. Transformou-se uma história interessante num aborrecimento de hora e meia”.
Ver comentários