Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
8

Morreu Julião Sarmento, o idealista do erotismo e do desejo

Artista perde luta para o cancro aos 72 anos. Deixa obra espalhada pelo mundo.
Miguel Azevedo 5 de Maio de 2021 às 08:55
Julião Sarmento
Julião Sarmento FOTO: Pedro Catarino

Dizia que era um artista, porque era a forma de englobar tudo o que fazia. Não sendo especificamente coisa nenhuma, abraçava todas as formas de arte, a pintura, a escultura, a fotografia, o vídeo, o desenho e até o som.

Vivia em Portugal, mas trabalhava no mundo. Julião Sarmento, o mais internacional dos nomes da arte contemporânea portuguesa, o criador que dizia que "a inspiração é uma treta" e que explorava os temas do voyeurismo, do erotismo, do sexo e do desejo como poucos, morreu esta terça-feira, aos 72 anos, na Fundação Champalimaud, em Lisboa, vítima de doença oncológica.

Em nota de pesar, o presidente Marcelo Rebelo de Sousa destacou a "modernidade provocante" das suas obras e a sua "presença ímpar" neste tempo, enquanto a ministra da Cultura, Graça Fonseca, enalteceu o seu "trabalho sobre o corpo e o desejo, num erotismo simbólico e subtil que era o grande motor da sua criatividade".

Nascido em Lisboa a 4 de novembro de 1948, Julião Sarmento frequentou o curso de arquitetura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, iniciando a carreira nos anos 70.

Tem obras espalhadas pelo mundo e no ano passado tinha lançado o livro ‘Café Bissau’.

Julião Sarmento Lisboa artes cultura e entretenimento pintura política ajuda externa
Ver comentários