Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

Museu de arte em Londres faz retrospetiva de 60 anos de carreira de Paula Rego

Até 24 de outubro, o Tate Britain apresenta mais de uma centena de obras que passam em revista carreira da artista portuguesa.
Sónia Dias 8 de Julho de 2021 às 08:22
‘O Baile’ (1988) é uma das obras de Paula Rego expostas em Londres
Cascais fez acordo com Paula Rego para exibir as suas obras
‘O Cadete e a Irmã’ (1988) é uma das obras que podem ser vistas na Tate Britain
‘O Tempo – Passado e Presente’ (1990)
‘Mulher Cão’ (1994)
‘Salazar a Vomitar a Pátria’ (1960)
‘As Meninas Vivian como Moinhos de Vento’ (1984)
‘O Baile’ (1988) é uma das obras de Paula Rego expostas em Londres
Cascais fez acordo com Paula Rego para exibir as suas obras
‘O Cadete e a Irmã’ (1988) é uma das obras que podem ser vistas na Tate Britain
‘O Tempo – Passado e Presente’ (1990)
‘Mulher Cão’ (1994)
‘Salazar a Vomitar a Pátria’ (1960)
‘As Meninas Vivian como Moinhos de Vento’ (1984)
‘O Baile’ (1988) é uma das obras de Paula Rego expostas em Londres
Cascais fez acordo com Paula Rego para exibir as suas obras
‘O Cadete e a Irmã’ (1988) é uma das obras que podem ser vistas na Tate Britain
‘O Tempo – Passado e Presente’ (1990)
‘Mulher Cão’ (1994)
‘Salazar a Vomitar a Pátria’ (1960)
‘As Meninas Vivian como Moinhos de Vento’ (1984)
Uma vitória “simbólica”. É desta forma que Paula Rego classifica a retrospectiva que o museu de arte Tate Britain, em Londres, faz dos 60 anos da sua carreira, com uma exposição que inclui mais de uma centena de trabalhos, alguns deles inéditos.

“É muito simbólico porque este museu, durante quase toda a vida da minha mãe, era um museu só para homens brancos, e uma mulher como a minha mãe estava sempre a bater à porta. Nunca a deixaram entrar, porque era uma mulher e era uma estrangeira e, até aos anos mais recentes, isso era uma coisa que não era apreciada em Inglaterra”, disse o filho da artista, Nick Willing, que esteve envolvido na organização da mostra.

Até 24 de outubro, o Tate Britain apresenta uma seleção dos primeiros trabalhos de Rego, raramente vistos, como ‘Interrogation’, que pintou aos 15 anos. Entre pinturas, colagens e desenhos criados entre 1950 e 2010, a artista deixa clara a sua oposição à ditadura de Oliveira Salazar e retrata memórias de infância, a relação intensa com o marido - o artista britânico Victor Willing (1928-1988), que morreu de esclerose múltipla - ou a sua luta contra a depressão.

Paula Figueroa Rego nasceu a 26 de janeiro de 1935 (86 anos), em Lisboa, mas deixou Portugal ainda adolescente, durante a ditadura, para fazer os estudos na Slade School of Art, tornando-se na única mulher do grupo da Escola de Londres, distinguindo-se por uma obra fortemente figurativa e literária, considerada incisiva e singular pela crítica.

Em 2010 foi distinguida pela rainha Isabel II com o grau de Dama Comandante da Ordem do Império Britânico, pela sua contribuição para as artes. Em julho de 2015, o quadro ‘O Cadete e a Irmã’ (1988), no qual a pintora aludia à morte do marido, foi arrematado num leilão em Londres por 1,6 milhões de euros, estabelecendo um recorde da artista.

trabalhos de paula rego em cascais
Em 2009 abriu ao público, em Cascais, a Casa das Histórias Paula Rego, dedicada ao trabalho da artista e do marido, Victor Willing. Acordo entre a Câmara Municipal de Cascais e Nick Willing garante a continuidade do museu pelo menos até 2029. 


Ver comentários