Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
6

Aristides de Sousa Mendes, o herói que desafiou o regime, recebe honras de Panteão Nacional

Aristides de Sousa Mendes salvou milhares de pessoas das atrocidades da Segunda Guerra Mundial.
Vanessa Fidalgo 19 de Outubro de 2021 às 08:35
A partir de hoje, Aristides de Sousa Mendes (1885-1954) vai estar representado no Panteão Nacional, ao lado de outras figuras ilustres do nosso país
A partir de hoje, Aristides de Sousa Mendes (1885-1954) vai estar representado no Panteão Nacional, ao lado de outras figuras ilustres do nosso país
A partir de hoje, Aristides de Sousa Mendes (1885-1954) vai estar representado no Panteão Nacional, ao lado de outras figuras ilustres do nosso país
Aristides de Sousa Mendes, antigo cônsul de Portugal em Bordéus que salvou milhares de vidas do Holocausto, vai esta terça-feira ter finalmente honras de Panteão Nacional.

A cerimónia começa às 10h30 e contará com as intervenções do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e da investigadora Margarida de Magalhães Ramalho.

O heroico diplomata, que desafiou a ideologia fascista, irá ser homenageado com um túmulo sem corpo, o que não implica a habitual trasladação para o Panteão Nacional, em Lisboa.

Assim, o corpo de Aristides de Sousa Mendes continuará em repouso no concelho de Carregal do Sal, terra onde nasceu e viveu (1885-1954), preservando-se a importância cultural e económica que a sua presença tem no turismo da região.

Figura controversa da diplomacia, Aristides de Sousa Mendes desafiou por várias vezes as regras do seu tempo, tendo até sido alvo de processos disciplinares. Um dos seus atos, porém, valeu-lhe o reconhecimento universal. A 10 de maio de 1940, quando a França foi invadida pela Alemanha nazi, durante a Segunda Guerra Mundial, Aristides era cônsul em Bordéus, França, e desafiou as ordens expressas do então presidente do Conselho de Ministros, António de Oliveira Salazar. Durante três dias e três noites concedeu vistos de entrada em Portugal a milhares de refugiados. Entre estes, incluíam-se muitos judeus, que fugiam da Alemanha, da Áustria, de França e de outros países já ocupados pelos exércitos alemães, e famílias de várias nacionalidades que tentavam fugir dos bombardeamentos e regressar às suas pátrias. Embora o número total de vistos passados por Sousa Mendes seja desconhecido, algumas fontes históricas apontam para cerca de 30 mil, sendo um terço deles para judeus.

Outros ilustres no Panteão Nacional
No Panteão estão sepultadas figuras como os escritores Aquilino Ribeiro, Guerra Junqueiro, Almeida Garrett e Sophia de Mello Breyner Andresen, a fadista Amália Rodrigues, o futebolista Eusébio e o marechal Humberto Delgado.
Ver comentários