Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
2

QUEM COMPÔS 'SODADE'?

A disputa judicial em torno da autoria da morna "Sodade", que ganhou uma difusão universal na voz de Cesária Évora, promete animar o novo ano judicial em Cabo Verde e, qualquer que seja a decisão, nada ficará como antes.
30 de Agosto de 2003 às 00:00
"Sodade" tornou-se numa das mornas mais emblemáticas de Cabo Verde, símbolo de um período dramático da emigração para S. Tomé e Príncipe, para fugir às implacáveis fomes. E, ainda mais apelativos, são os milhões de euros de direitos autorais em jogo.
De "Miss Perfumado", CD gravado por Cesária Évora em 1992, e onde sobressai "Sodade", terão sido vendidas cerca de meio milhão de cópias e na meia dúzia de antologias musicais da intérprete é também obrigatório o tema cuja autoria é agora reclamada em tribunal por Armando Zeferino Soares. O tema é também um dos mais gravados tanto por artistas caboverdianos como por estrangeiros.
INTERDIÇÃO
"Sodade" está registada com os nomes de Amândio Cabral e Luís Morais, beneficiários até agora dos direitos autorais. O segundo, pouco antes de falecer, em 2002, revelou não ser o autor, mas apenas quem transpôs a música para pauta, a pedido de Amândio Cabral, que se assume como autor único.
Em finais de 2002 entrou em cena Armando Zeferino Soares a proclamar a autoria e avançando com um processo em tribunal para fazer valer direitos que reclama de seus.
As provas que apresentou foram consideradas tão relevantes pelo Ministério Público (MP) que este decretou a apreensão dos discos que incluem o tema e a interdição da sua difusão pública em Cabo Verde. Não obstante a apreensão de alguns milhares de discos, a decisão judicial não conseguiu ter um efeito amplo e dissuasório. Ainda esta semana era possível adquirir na Cidade da Praia, a capital, o CD "Miss Perfumado".
PATRIMÓNIO NACIONAL
Ao avançar com a interdição, o magistrado do MP, Arlindo Figueiredo, que tem o processo sob a sua alçada, confessou em Junho à agência Lusa, que um dos depoimentos que considerara importante era o do músico cabo-verdiano Paulino Vieira, radicado em Portugal.
Num trabalho publicado em Maio de 2002 no jornal cabo-verdiano 'A Semana' é atribuída a Paulino Vieira a declaração de que "Sodade" é de Zeferino Soares.
Paulino nasceu em Praia Branca, ilha de S. Nicolau, onde reside Zeferino Soares, mas era ainda uma criança quando a morna teria sido composta, em 1954. Recentemente, esclareceu à Lusa que não possui provas da autoria de "Sodade" e que, simplesmente, Zeferino Soares lhe havia dito ser ele o verdadeiro criador.
Duas das principais testemunhas de Zeferino Soares são os vizinhos e amigos, Mário Soares e José Nascimento Firmino, que confirmaram à Lusa a autoria. Ambos revelaram que não estiveram presentes quando a morna foi composta mas foi a ele que a ouviram tocar primeira vez, em Julho de 1954, na despedida de ambos para S. Tomé e Príncipe.
Para Francisco Sequeira, que há anos se ocupa da sonoteca da Rádio Nacional de Cabo Verde, "Sodade" deveria ser considerada património nacional, e assim resolvia-se o problema.
Ver comentários