Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

Fundador e antigo CEO da Ligas Europeias diz que Superliga europeia resulta da ganância

"UEFA, Ligas Europeias e federações: tirem as luvas!", escreveu Emanuel Macedo de Medeiros.
Lusa 19 de Abril de 2021 às 11:45
Emanuel Macedo de Medeiros
Emanuel Macedo de Medeiros FOTO: Movenotícias
O português Emanuel Macedo de Medeiros, fundador e antigo CEO da Ligas Europeias, disse hoje que uma Superliga europeia não é futebol, mas sim ganância.

"Como fundador e ex-CEO da Ligas Europeias, esta é a minha opinião: depois de 20 anos a atirar pedras e a esconder a mão e negociar com a UEFA com uma pistola na mesa, a máscara caiu. Esta Superliga europeia não é futebol. É ganância. UEFA, Ligas Europeias e federações: tirem as luvas!", escreveu Macedo de Medeiros, no Twitter.

Emanuel Macedo de Medeiros, atual diretor-executivo (CEO) da Sport Integrity Global Alliance (SIGA), foi CEO da Ligas Europeias entre 01 de abril de 2014 e 20 de julho de 2018.

No sábado, 12 dos principais clubes de Espanha, Inglaterra e Itália anunciaram a criação de uma competição de elite, concorrente da Liga dos Campeões, em oposição à UEFA, às federações nacionais e a vários outros emblemas.

AC Milan, Arsenal, Atlético de Madrid, Chelsea, FC Barcelona, Inter Milão, Juventus, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Real Madrid e Tottenham "uniram-se na qualidade de clubes fundadores" da Superliga, indica o comunicado, acrescentando que a competição vai iniciar-se "o mais brevemente possível".

Os promotores da Superliga adiantam que a prova será disputada por 20 clubes, pois, aos 15 fundadores -- apesar de terem sido anunciados apenas 12 -, juntar-se-ão mais cinco clubes, qualificados anualmente, com base no desempenho da época anterior.

A época arrancará em agosto, com dois grupos de 10 equipas e os jogos, em casa e fora, serão realizados a meio da semana, mas todos os clubes participantes continuarão a disputar as respetivas ligas nacionais.

Os três primeiros classificados de cada grupo e os vencedores de um 'play-off' entre o quarto e o quinto posicionados disputarão os quartos de final, em duas mãos, seguindo-se a fase a eliminar até ao jogo decisivo, em terreno neutro.

O comunicado dos 12 clubes surge no mesmo dia em que a UEFA reafirmou que excluirá os clubes que integrem uma eventual Superliga europeia de futebol, e que tomará "todas as medidas necessárias, a nível judicial e desportivo" para inviabilizar a criação de um "projeto cínico".

Na luta contra a pretensão de alguns dos mais poderosos clubes da Europa, a UEFA disse contar com o apoio das federações de Inglaterra, Espanha e Itália, bem como das ligas de futebol destes três países.

A UEFA deve anunciar hoje o novo formato das competições europeias a partir da época 2024, sendo esperado uma alteração no modelo da Liga dos Campeões e um aumento para 36 equipas.

Em janeiro, a FIFA já tinha avisado, num comunicado conjunto com as confederações do futebol mundial, que impediria de participar nas suas competições qualquer clube ou jogador que integrasse uma eventual competição de elite, disputada por convite por alguns dos maiores clubes europeus.

Ver comentários