Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
5

Golo irregular dá ponto aos sadinos

Um golo de Henrique, em fora-de-jogo, permitiu ontem ao Vitória de Setúbal empatar (1-1) com a Académica num jogo bem disputado, em que as duas equipas criaram e desperdiçaram diversas ocasiões.
13 de Abril de 2010 às 00:30
O setubalense Hélder Barbosa em despique com Nuno Coelho (à dir.)
O setubalense Hélder Barbosa em despique com Nuno Coelho (à dir.) FOTO: António Cotrim/Lusa

Três minutos antes do 1-1, a Académica abriu o marcador, num autogolo de Ney, após cabeceamento de Éder, na sequência de um canto em que o guarda-redes Nuno Santos saiu mal da baliza e falhou o alívio.

Os sadinos entraram melhor e logo aos quatro minutos enviaram por duas vezes a bola à trave da baliza de Rui Nereu, por intermédio de Keita e Hélder Barbosa. O susto não atemorizou a formação de Coimbra, que se revelou mais organizada, dinâmica e perigosa. Antes do intervalo, aos 41 minutos, a Académica dispôs da melhor oportunidade para marcar, mas Lito falhou o alvo, por pouco.

No 2º tempo, os setubalenses equilibraram as operações, mas a Académica continuou a ser a equipa mais perigosa e, antes do autogolo de Ney, desperdiçou várias ocasiões, casos de Diogo (61) e Orlando (69).

"O EMPATE É O RESULTADO MAIS JUSTO"

"Entrámos muito fortes, mas na segunda parte a Académica equilibrou, pois é uma equipa com personalidade e que sabe jogar. O empate é o resultado mais justo", disse o técnico do V. Setúbal, Manuel Fernandes. "Ainda nada está perdido nem ganho. Em Alvalade vamos tentar fazer um bom jogo", acrescentou.

Já André Villas-Boas afirmou que a Académica fez tudo para vencer: "Controlámos a maior parte do jogo. Concedemos um golo na parte final, que me pareceu irregular. Vamos encarar o Benfica como mais uma jornada."

Quanto ao seu futuro, o técnico disse que deve continuar em Coimbra: "Respeito o contrato."

Ver comentários