Barra Cofina

Correio da Manhã

Euro 2020

Escócia

Fique a saber tudo sobre a formação escocesa.
4 de Junho de 2021 às 15:56
Fique a saber tudo sobre a formação escocesa.
4 de Junho de 2021 às 15:56
A Escócia está de regresso à fase final de um Europeu 25 anos depois. A seleção comandada por Steve Clarke realizou um apuramento sofrido e assegurou a sua vaga através dos playoffs, com dois jogos ganhos no desempate por penáltis - o primeiro contra Israel e, no decisivo, deixando pelo caminho a favorita Sérvia. Sem grandes figuras no panorama internacional, a força desta Escócia reside no coletivo e na bravura dos seus jogadores. Ultrapassar a fase de grupos já será um enorme feito, tendo em conta que os escoceses nunca chegaram ao ‘mata mata’. Ainda assim, os ‘bravehearts’ prometem dificultar a vida a seleções mais cotadas.

John McGinn, médio que alinha no Aston Villa, cumpriu a sua primeira internacionalização A em 2016 e tem ganho cada vez mais preponderância na seleção escocesa. Na caminhada para este Euro alinhou em 10 dos 12 jogos e foi o melhor marcador da equipa, com 7 golos.






Antigo lateral-direito, Steve Clarke fez a sua carreira de jogador em dois clubes: St. Mirren e Chelsea. Nos londrinos, entre 2004 e 2007, foi adjunto de José Mourinho, mas também trabalharia ao lado de nomes como Gianfranco Zola (West Ham) e Kenny Dalglish (Liverpool). Virou treinador principal em 2012, no West Bromwich, e passou por Reading e Kilmarnock, antes de tornar-se selecionador escocês.


Billy Gilmour, David Turnbull e Nathan Patterson ainda não se estrearam pela seleção escocesa e por isso mesmo a presença deste trio é o grande destaque na convocatória de Steve Clarke. Nota ainda para a ausência de Ryan Gauld, médio do Farense, que apesar da boa época na Liga NOS não conseguiu convencer o selecionador escocês.

O coletivo é a grande arma desta seleção, seguindo a tradição do futebol escocês, bem mais reconhecido pela bravura dos seus jogadores do que propriamente pela técnica individual. Habitualmente organizada num 3x4x3, pode criar dificuldades a adversários mais cotados.

A Escócia terá pela frente a sua terceira participação em fases finais de Europeus e regressa após 25 anos de ausência. Nas duas presenças, que até foram consecutivas (1992 e 1996), os escoceses não foram além da fase de grupos.

Num grupo D onde Inglaterra e Croácia partem como favoritas, a Escócia vai realizar dois dos três jogos em casa - no Hampden Park, em Glasgow -, o primeiro contra a República Checa (14 junho) e o último frente à Croácia (22 junho). Entre estes terá lugar o dérbi britânico contra os ingleses, em Wembley, marcado para 18 de junho.

Kenny Dalglish alinhou em 102 jogos nos 15 anos em que representou a seleção da Esócia (entre 1971 e 1986). Vai ser preciso esperar até que outro jogador ameace, sequer, o estatuto de mais internacional de sempre que lhe pertence.

1. Kenny Dalglish, 102 jogos
2. Jim Leighton, 91
3. Darren Fletcher, 80
4. Alex McLeish, 77
5. Paul McStay, 76
6. Tom Boyd, 72
7. Kenny Miller, 69
8. Christian Dailly, 67
9. Willie Miller, 65
10. Danny McGrain, 62

Dennis Law fez praticamente metade dos jogos de Kenny Dalglish pela Escócia – 55 contra 102 – e marcou o mesmo número de golos. Um registo assinalável.

1. Kenny Dalglish e Dennis Law, 30 golos
3. Hughie Gallacher, 24
4. Lawrie Reilly, 22
5. Ally McCoist, 19
6. Kenny Miller, 18
7. James McFadden, 15
8. Mo Johnston, 14
9. John Collins, 12
10. Joe Jordan, 11
Nota: todos os dados presentes nesta página estão atualizados até dia 25 de maio de 2021.
Escócia Euro 2020