Barra Cofina

Correio da Manhã

Euro 2020

Espanha

Fique a saber tudo sobre a Roja, que integra o Grupo E.
Record 4 de Junho de 2021 às 15:57
Fique a saber tudo sobre a Roja, que integra o Grupo E.
Por Record 4 de Junho de 2021 às 15:57
Após os títulos consecutivos nos Europeus de 2008 e 2012, que tiveram pelo meio a conquista do Mundial’2010, a Espanha perdeu a ‘geração de ouro’ e entrou numa espécie de espiral negativa que teve o maior ‘tombo’ no Mundial da Rússia em 2018, manchado pela polémica saída de Lopetegui  a dois dias da estreia e que acabou com a eliminação nos oitavos-de-final.

Luis Enrique foi o homem que se seguiu, mas a renovação da La Roja tem sido difícil de implementar. A Espanha deixou de ser aquele conjunto que transportava para o panorama das seleções o estilo de jogo de um Barcelona dominadore e dono da bola, mas não pode nunca – e o currículo fala por si – ser colocada à parte dos favoritos em qualquer fase final de uma grande competição. Mesmo que desta vez não conte com Sergio Ramos… nem qualquer outro jogador do Real Madrid.

Entre os eleitos de Luis Enrique, Sergio Busquets é de longe o jogador mais experiente, sendo mesmo o único com mais de 100 internacionalizações – mais próximo só Jordi Alba, com 72. Será a 8.ª presença do médio do Barcelona em fases finais de grandes competições, o que é demonstrativo da preponderância e estatuto acumulado ao longo dos últimos anos. 






Deixou de fora Sergio Ramos e não chamou qualquer outro jogador do Real Madrid. Também optou por não preencher duas das 26 vagas que a UEFA permitia para este Euro’2020. Caso a Espanha não realize uma campanha aceitável - fazer melhor do que em 2016 (‘oitavos’) é o mínimo que os adeptos vão exigir – poderá resultar numa porta aberta… para a saída.






A ausência de Sergio Ramos é a nota de relevo numa convocatória que tem a particularidade de contar apenas com 24 dos 26 nomes permitidos pela UEFA para este Europeu.





A seleção espanhola mantém-se fiel ao 4x3x3 mas já não está ‘refém’ da influência do tiki-taka… nem do Barcelona. Sem Sergio Ramos no eixo defensivo, caberá a Sergio Busquets o papel de ‘farol’ na orientação das ações da equipa, quer a defender, quer a atacar.





A Espanha é a única seleção que conseguiu conquistar dois títulos europeus de forma consecutivos (2008 e 2012) e é também, a par da Alemanha, quem mais mais vezes (3) venceu a prova - os espanhóis ganharam logo na sua primeira participação, em 1964.

A Espanha irá realizar os seus três encontros da fase de grupos em casa, no Estádio Olímpico de Sevilha. A estreia da La Roja acontece no dia 14 de junho, diante da Suécia, seguindo-se os duelos com Polónia (19) e Eslováquia (23).


É a grande ausência da Espanha para este Europeu. Sergio Ramos estreou-se pela Roja em março de 2005 e construiu um legado bem mais rico do que o ‘simples’ recorde de jogos realizados, à frente dos também históricos – e que foram seus contemporâneos - Iker Casillas e Xavi. Ramos é ainda o 9º maior goleador de todos os tempos e o defesa com mais golos marcados pela Espanha: 23. E convém lembrar que conquistou 2 Mundiais e 2 Europeus…

1º Sergio Ramos - 180
2º Iker Casillas - 167
3º Xavi - 133
4º Iniesta - 131
5º Zubizarreta - 126
6º David Silva - 125
7º Sergio Busquets - 122
8º Xabi Alonso - 114
9º Fernando Torres - 110
10º Cesc Fàbregas - 110

Em pouco mais de 12 anos a jogar pela seleção espanhola, David Villa tirou Raúl González do topo da lista dos maiores goleadores com 59 remates certeiros. Foi o melhor marcador (4 golos) do Euro’2008 e revelou-se decisivo na conquista do título por parte da Espanha sendo que, curiosamente, nem entrou em campo na final contra a Alemanha.

1º David Villa - 59
2º Raúl González - 44
3º Fernando Torres - 38
4º David Silva - 35
5º Fernando Hierro - 29
6º Morientes - 27
7º Butragueño - 26
8º Di Stéfano - 23
9º Sergio Ramos - 23
10º Julio Salinas - 22
Nota: todos os dados presentes nesta página estão atualizados até dia 25 de maio de 2021.
Espanha Euro'2020