Barra Cofina

Correio da Manhã

Euro 2020

Coca-cola 'perde gás' no mercado bolsista após momento protagonizado por Ronaldo

Valor acionista da empresa baixou 3,3 mil milhões de euros após o craque português se ter manifestado contra o consumo da bebida.
João Moniz 16 de Junho de 2021 às 01:30
Cristiano Ronaldo desviou as garrafas de refrigerante durante a conferência de imprensa por só beber “água”
Cristiano Ronaldo desviou as garrafas de refrigerante durante a conferência de imprensa por só beber “água” FOTO: DIREITOS RESERVADOS
Toda e qualquer ação de Cristiano Ronaldo tem impacto planetário. Que o diga a Coca-Cola, que esta terça-feira continuava a perder gás no mercado bolsista.

Na segunda-feira, antes de uma conferência de imprensa, CR7 afastou duas garrafas da marca e salientou que só bebia “água”. Poucos minutos depois, a Coca-Cola abria a sessão bolsista nos Estados Unidos em queda. Ao longo do dia recuperou ligeiramente, mas esta terça-feira voltou a sofrer nova quebra.

Às 18h00 desta terça-feira em Portugal, cada ação da empresa valia 55,2 dólares, menos 1,6% do que os 56,16 dólares com que fechara a sessão na sexta-feira. Daí que o valor em bolsa da Coca-Cola tenha baixado 4 mil milhões de dólares, qualquer coisa como 3,3 mil milhões de euros à cotação desta terça-feira.

O incidente levou a UEFA a recordar que o Euro só é possível com o patrocínio de marcas como a Coca-Cola. A companhia, por sua vez, salientou que também vende água.

Itália fica em polvorosa com saída da Juve
"O que vier será para bom, independentemente de ficar ou sair." A declaração de Cristiano Ronaldo, na segunda-feira, teve eco na imprensa italiana. "Palavras de despedida", escreveu a ‘Gazzetta dello Sport’ em manchete. "Ronaldo se dissocia", apontou o ‘Corriere dello Sport’.
Coca-cola Cristiano Ronaldo economia negócios e finanças bolsa jogador patrocínios marcas
Ver comentários