Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Abel Ferreira, defensor do coletivo, conquista América do Sul de verde e branco

Abel tornou-se este sábado no segundo português a conquistar a Taça Libertadores de futebol.
Lusa 30 de Janeiro de 2021 às 23:37
Abel Ferreira
Abel Ferreira FOTO: Reuters
Abel Ferreira tornou-se este sábado no segundo português a conquistar a Taça Libertadores de futebol, no comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, cumprindo a defesa e a exaltação do coletivo 'verde e branco'.

O jovem treinador, de 42 anos, chegou no final de outubro de 2020 ao 'verdão', sucedendo a Vanderlei Luxemburgo, depois de ter iniciado a segunda temporada no PAOK, ser vice-campeão grego e de eliminar o Benfica na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões, naquela que estava a ser a sua primeira experiência no estrangeiro.

Natural de Penafiel, cumpriu toda a formação no clube duriense, no qual ascendeu a sénior, já como lateral direito, após ter admitido abandonar o futebol. Rumou ao Vitória de Guimarães, então orientado por Paulo Autuori, conciliando a carreira com o curso de Educação Física, no Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCE), em Felgueiras.

Defendeu a camisola vimaranense durante quatro épocas, até rumar, já licenciado e com estágio feito como professor, ao rival Sporting de Braga, em 2004/05, que, na temporada seguinte, o emprestou ao Sporting.

Foi ao serviço dos 'leões' que conquistou duas Taças de Portugal, em 2006/07 e 2007/08, e duas Supertaças Cândido Oliveira, em 2007 e 2008.

Em abril de 2011, uma rotura dos ligamentos cruzados acabou por precipitar o fim da carreira, aos 32 anos, sucedendo a Ricardo Sá Pinto como treinador dos juniores do Sporting, conquistando o título de campeão nacional do escalão, com jogadores como Rúben Semedo, Ricardo Esgaio, João Mário e Bruma.

Ascendeu à equipa B 'leonina', em 2013/14, e, na época seguinte, após um desentendimento com Bruno de Carvalho, regressou a Braga, também para a formação secundária, estreando-se na 'elite', como interino, com uma vitória por 1-0, em 18 de dezembro de 2016, após a saída de José Peseiro.

Logo aí ficava demonstrada a importância que dava ao coletivo, realçando, na véspera do encontro que o seu trabalho assentou, "essencialmente, em responsabilizar os jogadores", mas também em permitir que "desfrutem do jogo, que tenham paixão".

Ainda regressou ao Sporting de Braga B, com a chegada de Jorge Simão, e voltou à equipa principal em abril de 2017, cumprindo duas temporadas completas, com dois quartos lugares na I Liga, estabelecendo os recordes de pontos (75) e de vitórias (24) do clube no campeonato.

Nos bracarenses, repetia à exaustão "a estrela é a equipa, o estatuto é o rendimento", uma mensagem sustentada na sua apresentação como treinador principal dos minhotos, em 24 de agosto de 2017.

"Que fique bem claro que não sou eu que vou jogar, enquanto estiver neste cargo, comigo vamos ganhar todos e perder todos", vincou, numa postura mantida até ao último dia no clube, atestada, em 01 de julho de 2019, quando assinou pelo PAOK.

Além da "gratidão enorme" para com o Sporting de Braga, Abel voltou a realçar a importância dos jogadores: "Não há bons treinadores sem bons jogadores, foram eles que, juntamente com a nossa ideia de jogo, fizeram de mim um treinador competente, ambicioso, que quer aprender a cada dia que passa".

O presidente do Sporting de Braga, António Salvador, manteve-se um apreciador das qualidades do treinador, caracterizando-o de "humilde, ambicioso, exigente, metódico, estudioso e sempre à procura de evoluir".

Essa ambição, garra e emotividade foi demonstrada pelo próprio à chegada a São Paulo, quando assinou pelo Palmeiras: "Atravessei o Atlântico para trabalhar, ganhar, ajudar a estrutura e os jogadores a crescer, não para conhecer a cidade. É minha missão".

"Eu sou um homem de convicções. Eu gosto de seguir meus instintos, me desafiar. Não foi pelo que os outros disseram ou mostraram, foi por convicção que tenho que com o Palmeiras acrescentar títulos na minha carreira. E só estando com os melhores isso é possível. Minha vontade de representar um grande clube. Fiz meu trabalho de casa, como o clube fez ao apostar em mim. Verde e branco é algo que me persegue como jogador e treinador", disse, na primeira entrevista como treinador do Palmeiras.

A carreira de treinador está sempre dependente de títulos e de vitórias e Abel nunca rejeitou essa responsabilidade, como ficou celebrizada a sua reação após a eliminação do Sporting de Braga, aos 'pés' do Sporting, nas meias-finais da Taça da Liga, por 4-3 nas grandes penalidades, após o 1-1 no tempo regulamentar.

"Se eu não ganhar, vou embora e tenho de dar a vez a outro. Quando não sou competente, tenho de dar vez aos mais novos. Não faço outra coisa que não seja melhorar a nossa forma de treinar, os meus jogadores e fazer com que os meus adeptos sintam orgulho no que fizemos", reagiu, exaltado, em 22 de janeiro de 2010, o agora campeão sul-americano de clubes.

Abel Ferreira PAOK América do Sul Palmeiras Sporting Braga B desporto desporto futebol
Ver comentários