Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Atletas e famílias fechados em casa para o regresso da Liga

Condições impostas pela DGS para a retoma da I Liga impõem o dever de recolhimento domiciliário aos elementos das equipas e seus coabitantes até ao fim da temporada.
João Moniz 11 de Maio de 2020 às 01:30
A Liga vai regressar no final do mês deste mês sem público nos estádios. Fora de campo, os jogadores terão os movimentos limitados até ao fim do campeonato
A Liga vai regressar no final do mês deste mês sem público nos estádios. Fora de campo, os jogadores terão os movimentos limitados até ao fim do campeonato FOTO: Paulo Calado
Para minimizar o risco de infeção por Covid-19, os atletas, as equipas técnicas e os árbitros devem manter-se em recolhimento domiciliário desde a data do início da retoma dos treinos para as competições oficiais e até ao final da temporada de todas as competições. Os coabitantes ficam igualmente obrigados ao dever de recolhimento domiciliário." Esta é uma das normas de conduta que consta do parecer técnico da Direção-Geral da Saúde que enquadra as condições para o regresso da I Liga e da Taça de Portugal, que a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) divulgou este domingo.

"As deslocações dos intervenientes acima indicados devem restringir-se ao trajeto domicílio-clube/competição-domicílio. Apenas são permitidos contactos sociais com coabitantes e membros do clube (staff estritamente necessário para a prática desportiva)", refere o documento, acrescentando: "O recolhimento impõe ainda o cumprimento, em todas as circunstâncias, do distanciamento físico de dois metros, a higiene das mãos e a etiqueta respiratória."

Para verificar o cumprimento destas regras, "devem ser usados sistemas de informação e monitorização de contacto entre os atletas", ou seja, estes vão ser vigiados por sistemas eletrónicos para garantir que não infringem as determinações das autoridades de saúde, que poderão solicitar a entrega dos dados para controlo.

"Os clubes devem apoiar os atletas e as suas famílias por forma a evitar deslocações para fora do domicílio (exceto as necessárias para a prática desportiva), recorrendo, para tal, a entregas domiciliárias de bens e serviços", estipulou a DGS, que obriga os departamentos médios a manter "registos diários por forma a identificar precocemente qualquer sintoma".

Dez pessoas como limite
Os jogos serão à porta fechada e nas imediações dos estádios não se poderão concentrar mais do que dez pessoas. "As forças e serviços de segurança devem, sob proposta da FPF, assegurar o cumprimento da legislação vigente", estipula a DGS.

Usar o menor número possível de estádios
As competições devem ser realizadas no menor número possível de estádios, selecionados e aprovados pela Autoridade de Saúde Regional. Estes estádios devem permitir a prevenção e controlo de infeção de forma sustentada, nomeadamente tendo condições sanitárias nos balneários e ginásios.

Um caso não implica isolamento coletivo
A identificação de um caso positivo determina o seu isolamento. As medidas de confinamento e os testes "minimizam o risco de contágio", pelo que a identificação de um caso positivo não torna obrigatório o isolamento coletivo das equipas.

Obrigatório 2 testes antes de cada jogo
"Durante as competições devem ser realizados, para todos os jogos, dois testes laboratoriais para SARS-CoV-2 por semana: um 48 horas antes do jogo e outro o mais próximo possível da hora do jogo", estipulam as normas de conduta da DGS.

Despistagem antes dos treinos coletivos
Antes do início das competições, todos os atletas, equipas técnicas e árbitros devem realizar dois testes à Covid-19 separados por 14 dias. Só poderão participar em treinos coletivos e posteriormente nos jogos se os resultados forem negativos.

Retoma segue o plano
Os primeiros casos positivos de Covid-19 em equipas da I Liga não surpreenderam as autoridades de saúde, que mantêm o plano para a retoma da prova, apurou o CM. A "avaliação do risco" perante um número elevado de casos, referida este domingo pela diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, que no limite pode ditar nova suspensão dos jogos, está prevista desde o início. A convicção dos peritos que fizeram o protocolo sanitário é que as equipas terão todas as condições para salvaguardarem os seus atletas.
Ver comentários