Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Batalha de Alvalade sem vencedor e recheada de faltas

Nuno Almeida abriu o jogo com três cartões em quatro minutos. Leão superior na primeira parte.
Sérgio Pereira Cardoso 12 de Setembro de 2021 às 01:30
Leões e dragões defrontaram-se este sábado, em Alvalade
Sporting - FC Porto
Sporting - FC Porto
Sporting - FC Porto
Leões e dragões defrontaram-se este sábado, em Alvalade
Sporting - FC Porto
Sporting - FC Porto
Sporting - FC Porto
Leões e dragões defrontaram-se este sábado, em Alvalade
Sporting - FC Porto
Sporting - FC Porto
Sporting - FC Porto
Uma batalha de Alvalade que ficou sem vencedor. Numa partida com 40 faltas, 12 amarelos e um vermelho, o Sporting foi superior na primeira parte e fez o 1-0 por Nuno Santos. Diogo Costa segurou então o dragão, que reagiu depois do intervalo. Luis Díaz fez valer os muitos km viajados e marcou um golaço no 1-1 que só deixa a sorrir o Benfica, agora a quatro pontos dos rivais.

Foi o apito inicial de Nuno Almeida a colocar fim aos ‘ais’ e ‘uis’ de ambos os lados com as baixas clínicas e o stress das viagens dos atletas internacionais. Do lado de Amorim, zero surpresas, mas Conceição até decidiu receber com honras de titularidade os homens que apenas chegaram na noite de véspera - Corona, Uribe e Luis Díaz.

E se começámos por falar no apito é porque bem merece. Em quatro minutos, três faltas e três cartões, num festival que, logicamente, Nuno Almeida não conseguiria segurar durante a partida. Depois de tanto amarelo, um forte sinal verde.

Matheus Nunes com visão periférica a encontrar Pedro Porro e este convidado por Marcano a sentir-se em casa e a fazer um cruzamento rasteiro para Nuno Santos, que se esticou e desviou para a festa do 1-0.

Via-se aí um leão sólido frente a um dragão em registo de castelo de cartas, pronto a ruir. Em transições rápidas, o Sporting encontrava muitos buracos na manta defensiva portista. Nuno Santos voltou a ficar isolado mais um par de vezes, valeram duas grandes defesas de Diogo Costa, aos 31 e 36 minutos.

Dos portistas, perigo só através de recuperações altas de Otávio, mas Jesús Corona não soube retirar lucro. Ainda antes do intervalo, Conceição retirou duas das peças mais débeis - Marcano e Bruno Costa, já amarelados, deram o lugar a Manafá e Sérgio Oliveira.

E a consistência foi outra. O FC Porto cresceu na segunda parte e o Sporting tentou controlar a partir da segurança defensiva. Fora um lance de penálti sobre Coates, a bola ia ficando longe das balizas. Os técnicos voltaram a mexer e Sérgio saiu por cima. Corona, a lateral, solicita Díaz, que brilha com um drible e um remate colocado. 1-1.

Curiosamente, o Sporting teve aí o seu melhor momento da segunda metade. Pepe fez dois grandes cortes e Martínez duas grandes faltas -viu o vermelho, a cor do único clube a rir-se no final desta batalha, o Benfica.

POSITIVO E NEGATIVO
+ Santos entre pecadores
No meio de tantas faltas e paragens, Nuno Santos foi um diabo à solta nos leões. Marcou um golo e viu outros dois serem negados pelo jovem Diogo Costa, o salvador dos dragões na primeira parte. Díaz fez milhares de km e foi decisivo no empate.

- Problemas estão à vista
Ainda é o início de época, mas a Champions está ao virar da esquina. O Sporting mostra dificuldades na saída da bola e o FC Porto tem colagens, como Marcano a lateral, que cedem em jogos deste nível. Demasiada confusão num encontro só.

ARBITRAGEM
Uma noite para esquecer
Teve um critério inicial que depois cancelou para não expulsar jogadores como Marcano, Porro e Neto. Toni Martínez foi a exceção, vermelho completamente acertado. Coates (48’) sofreu penálti de Taremi e queixa-se de outro de Pepe (32’).

"FC Porto é mais maduro"
"Na primeira parte devíamos sair com um resultado mais volumoso. Gostei da personalidade da equipa, fomos melhores do que habitualmente somos com o FC Porto, mas queríamos vencer", afirmou Rúben Amorim.

"O FC Porto é uma equipa mais madura e em determinados momentos isso nota-se. Precisamos de jogos destes, semana sim semana não, para crescer", salientou. Sobre as ausências, o técnico do Sporting disse que todos são importantes.

"Todos vão jogar, estão preparados. O treino conta muito", observou, destacando Sarabia: "Tem muita qualidade. Falta-lhe algum andamento que ainda vai ganhar. É muito humilde." A concluir, frisou que os quatro pontos para o Benfica não são significativos: "Esta equipa não desiste."

"Ficámos aquém na 1.ª parte"
Sérgio Conceição reconheceu que a equipa não esteve bem até ao intervalo. "Ficámos aquém do esperado com algumas perdas de bola no início de construção e má definição na frente", disse, lamentando "as muitas picardias" no clássico.

O treinador do FC Porto reconheceu ainda que as equipas mostraram-se "competitivas" com "vontade de ganhar", num "ambiente e contexto que não era fácil" [regressos tardios dos internacionais] e que optou por tirar Marcano e Bruno Costa por já terem visto amarelos.

Já vantagem do Benfica (quatro pontos) foi desvalorizada: "Isto é uma maratona". Sobre Corona, Conceição afirmou que o mexicano já esteve melhor do que há umas semanas e que o mau momento se deveu aos rumores do mercado.
Ver comentários