Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

Dragão de raça empata com o Atl. Madrid

Centro de Otávio acabou no poste. Taremi até marcou, mas toque involuntário com a mão anulou o golo.
Sérgio A. Vitorino 16 de Setembro de 2021 às 01:30
Taremi marcou mas na queda raspou com a mão direita na bola e o VAR anulou o golo
Taremi marcou mas na queda raspou com a mão direita na bola e o VAR anulou o golo FOTO: Reuters
Foi bom e foi mão. No jogo de estreia do FC Porto no grupo da morte da Liga dos Campeões, a equipa de Sérgio Conceição mostrou fibra europeia, segurou o campeão espanhol e esteve perto da vitória num golo anulado por toque fortuito de Taremi com a mão antes de a bola cruzar a linha.
Comecemos como deve ser, pelo início. O treinador do FC Porto não facilita a vida aos adversários no que ao estudo do onze titular diz respeito: Zaidu emergiu do mundo dos proscritos para titular na Champions. Do outro lado, Corona no lugar de João Mário, Grujic no miolo e, na frente, reposta a dupla que rima, Toni e Taremi.

Consistentes e sempre ligados à corrente, os homens de Conceição mantiveram o Atlético longe da baliza - exceção a um remate de Suárez para defesa de Diogo Costa, aos 6’. No reverso da moeda, a mesma face. O FC Porto pouco perigo criou, só com Taremi a falhar uma bola que lhe caiu do céu, logo aos 7’.

A partir daí, luta, guerra, batalha, podemos disfarçar isto de forma mais ou menos bélica, mas futebol é que foi poucochinho. Zaidu ainda teve nos pés uma oportunidade - Kondogbia foi mais lesto e cortou a bola.

Portanto, 45 minutos e mais qualquer coisa, quatro remates, apenas um enquadrado. Más notícias por altura do intervalo só mesmo os três amarelados no lado português. Um deles, Zaidu, saiu e entrou Wendell.

A segunda parte começou com bola ao poste. Otávio tenta um cruzamento de longa distância e acaba no ferro. Taremi não consegue a recarga. Reagiram os homens da casa com três substituições que apertaram um pouco os azuis-e-brancos. Correa teve um belo remate, aos 68’, mas Diogo Costa voltou a mostrar que é um guarda-redes de grande nível.

Conceição lá estabilizou o barco e ia recebendo uma prenda dos espanhóis. Um mau atraso acaba com Taremi a conseguir marcar o golo, só que, na queda após choque com Oblak, tocou com a mão na bola antes de entrar. No final, Mbemba foi expulso, sem danos de maior. O dragão não desilude: a fibra de Champions mantém-se.

"Fizemos um bom jogo"
"Foi um ponto conquistado, queríamos conquistar os três. Fizemos um bom jogo, entre duas boas equipas. Sinto alguma frustração por não ter ganho", disse Sérgio Conceição no final, assumindo que o FC Porto dispôs das "chances mais claras para marcar", principalmente no segundo tempo. O técnico portista admitiu ter retirado o lateral Zaidu ao intervalo por este já ter amarelo. "Senti o árbitro com facilidade em dar amarelos aos jogadores do FC Porto", salientou.

Iker Casillas visitou equipa em Madrid
A comitiva do FC Porto recebeu na noite de terça-feira uma visita especial no hotel onde se alojou em Madrid: o ex-guarda-redes Iker Casillas, que representou os dragões. Reviu amigos, ex-colegas e conviveu com o grupo ao qual pertenceu.

Análise ao jogo
Positivo: Cabeça-dura e barba rija
Sérgio Conceição surpreendeu no onze e a resposta foi muito positiva de uma equipa que tem sempre fibra de Champions. A tal ‘cabeça-dura’ do técnico foi acompanhada de barba rija dos seus pupilos.

Negativo: Félix e os danos centrais
João Félix foi uma sombra e o espelho de uma equipa que mostrou muito pouco para os nomes que tem no plantel. Perdas de Pepe, por lesão, e de Mbemba, expulso, são preocupações para o que aí vem.

Ábitro: Uma regra cruel
A bola já vai a caminho da baliza vazia quando Taremi toca, em queda, com a mão, mas a regra é assim. Benévolo no amarelo a Zaidu, prejudicou os portistas em faltas a meio-campo.

Análise aos jogadores
Diogo Costa - A defesa a remate de Suárez mostrou que estava ali para parar tudo. Após o intervalo teve uma intervenção monstruosa a remate de Correa. Um ponto conquistado muito graças si.
Corona – Regressou à lateral e cumpriu. No plano ofensivo mostrou-se a espaços com alguns raides até à linha.
Mbemba – Só por uma vez perdeu de vista Suárez. Bem na antecipação e no jogo aéreo. Imperial até à expulsão.
Pepe – Sempre no mesmo nível. Ou seja, altíssimo. Saiu com problemas físicos.
Zaidu – De proscrito na Liga a titular na Champions. Condicionado com o amarelo, saiu ao intervalo.
Uribe – Trabalho invisível foi importante para travar o miolo colchonero.
Grujic – Teve um bom cabeceamento e ajudou Uribe nos duelos.
Otávio – Trabalhou muito. Roubou várias bolas, mas não foi tão decisivo nas ações ofensivas como costuma ser.
Luis Díaz – Seta apontada à baliza do Atlético. Muito desequilibrador. Faltou o golo.
Taremi – Teve a melhor chance mas não acreditou que a bola lhe ia sobrar e atirou para fora. Ainda marcou, mas antes tocou com a mão.
Toni Martínez – Lutou mas esteve muito pouco em jogo.
Wendell – Estreia competente do lateral brasileiro.
Marcano – Entrou e manteve a bitola de Pepe. Seguro.
Vitinha – Segurou a bola.
Sérgio Oliveira – Levou mais experiência à equipa.
Pepê – Tentou agitar.
Ver comentários