Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Equipamento da Dinamarca 'apaga' marca e símbolo contra Qatar e historial de direitos humanos

"Acreditamos que o desporto deve unir as pessoas, e se isso não acontece, pretendemos marcar posição", acrescentou a empresa.
Lusa 28 de Setembro de 2022 às 17:01
Mundial'2022
Mundial'2022 FOTO: Correio da Manhã
Os equipamentos da seleção de futebol da Dinamarca para o Mundial2022 são "um protesto contra o Qatar e o seu historial em matéria de direitos humanos", apagando a visibilidade de marca e símbolo para se demarcarem dos organizadores.

"Esta camisola carrega uma mensagem. Não queremos ser visíveis durante um torneio que custou a vida a milhares de pessoas. Apoiamos a seleção dinamarquesa a todos os níveis, mas não o Qatar como organizador", escreveu hoje a Hummel, que fabrica os equipamentos da Dinamarca, na rede social Twitter.

No Instagram, o fabricante notou a homenagem ao Euro1992, que os dinamarqueses conquistaram, em alguns pormenores das camisolas, com uma camisola vermelha e outra negra, mas reforçou o "protesto contra o Qatar".

"Acreditamos que o desporto deve unir as pessoas, e se isso não acontece, pretendemos marcar posição", acrescentou a empresa.

A Federação de Futebol da Dinamarca, a DBU, é há anos uma das principais vozes críticas dos abusos laborais e de direitos humanos no Qatar nos trabalhos preparativos para o Campeonato do Mundo.

Aquando do apuramento para este torneio, o diretor-executivo, Jakob Jensen, disse que ia "aumentar o tom e o volume das críticas" àquele país, para amplificar as denúncias, e os patrocinadores da seleção abdicaram do espaço nos equipamentos de treino para mensagens em prol dos direitos humanos.

Embora as autoridades do Qatar neguem, várias organizações e estimativas apontam para milhares de mortes naquele país entre 2010 e 2019 em trabalhos relacionados com o Mundial, com um relatório do jornal britânico The Guardian, de fevereiro deste ano, a cifrar o valor em 6.500 óbitos, número que muitos consideram conservador.

Em maio, a seis meses do arranque da competição, a Amnistia Internacional assinou uma carta aberta endereçada ao presidente da FIFA, Gianni Infantino, ao lado de associações como a Human Rights Watch, pedindo-lhe que invista o mesmo valor dos prémios atribuídos às seleções pela performance no torneio num mecanismo de compensação.

O Campeonato do Mundo masculino de futebol vai decorrer entre 20 de novembro e 18 de dezembro, com a seleção portuguesa apurada e inserida no grupo H, com Uruguai, Gana e Coreia do Sul.

Mundial2022 Dinamarca Qatar Mundial2022 desporto futebol política
Ver comentários