Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

FC Porto parte em vantagem na Taça após empate polémico em Braga

Minhoto David Carmo lesionado gravemente após lance que ditou a expulsão polémica de Luís Díaz. Técnico portista, em fúria, chegou mesmo a pedir à equipa para abandonar o relvado.
Filipe António Ferreira 11 de Fevereiro de 2021 às 01:30
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
FC Porto procura ultrapassar o SC Braga nesta jornada
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
FC Porto procura ultrapassar o SC Braga nesta jornada
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
FC Porto procura ultrapassar o SC Braga nesta jornada
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Sp. Braga - FC Porto
Empate a 1-1 entre Sp. Braga e FC Porto num jogo quase a papel químico do duelo de há três dias para a Liga, em mais uma batalha na Pedreira. Os dragões viram dois jogadores serem expulsos, mas mesmo assim partem em vantagem para a segunda mão.

Com o 2-2 de domingo ainda bem presente, foi novamente a equipa de Conceição que começou melhor no primeiro tempo.

Com Fábio Vieira no lugar do castigado Corona, a equipa portista começou logo por assustar Matheus, num remate violento de Sérgio Oliveira. Mas quase logo a seguir o guarda-redes brasileiro teve um erro fatal ao dar a bola de bandeja para Taremi, que de primeira fez um chapéu de grande qualidade.

Os minhotos passaram a dominar territorialmente mas sem levar perigo a Diogo Costa, que substituiu Marchesín. Só através de algumas rápidas descidas e passes de rutura é que o Sp. Braga tentava enganar a defesa contrária, mas sem efeito.

Do outro lado, a qualidade portista saía sempre com perigo. Taremi teve nos pés uma enorme chance para bisar mas desta vez Matheus esteve gigante. A pouca velocidade e intensidade acabavam por beneficiar quem estava em vantagem. O FC Porto voltou a assustar Matheus, num violento remate de Fábio Vieira, que saiu um pouco por cima.

Reentrou melhor o Sp. Braga. Sporar, que nos primeiros 45’ tinha passado ao lado do jogo, teve dois remates perigosos. Primeiro, Pepe cortou ‘in extremis’. Depois, o esloveno atirou ao lado.

Em seguida, mais uma expulsão para um jogador do FC Porto. Luis Díaz atinge de forma violenta (mas involuntária) David Carmo, que saiu lesionado gravemente. Conceição em fúria com o vermelho gritou: "Vamos embora, não vale a pena."

O Sp. Braga subiu linhas mas o FC Porto conseguia parar o ataque minhoto, apenas até à expulsão de Uribe. A partir daí a avalanche minhota foi grande e, tal como no jogo anterior, chegou ao empate numa recarga de Fransérgio. Os dragões saem em vantagem de Braga. A presença na final do Jamor decide-se dia 3 de março no Dragão.

Passivo da SAD portista sobe para 497 milhões
O FC Porto tinha um passivo de 497,3 milhões de euros no final de dezembro, após um aumento de 10% (45,5 milhões de euros) em seis meses, revela o relatório e contas semestral. A SAD fechou o 1º semestre com um lucro de 34,45 milhões de euros, com a receita da Champions (55,9 milhões de euros) e o lucro com passes de jogadores (28,2 milhões de euros) a compensarem as perdas de 8,8 milhões de eurosem bilheteira, publicidade e não só.

Fransérgio brilha com uma dupla ajuda
o Matheus – Asneirada da grossa para o 1-0 do FC Porto. Grandes defesas aos 32’ e 65’.
o Tormena – Bem a travar a dupla atacante do FC Porto.
o David Carmo – Exibição regular até sofrer a lesão, arrepiante e grave.
o Sequeira – Três boas incursões pela esquerda que não foram aproveitadas.
o Ricardo Esgaio – Sentiu-se a falta dos seus centros, subiu de produção com a saída de Díaz.
o Al Musrati – Travão a defender e pivot de grande qualidade das transições ofensivas.
o Galeno – Jogo sem grande história. Pode render mais.
o Piazón – Dois bons passes. Pouco influente no jogo.
o Ricardo Horta – Abaixo do que é habitual, foi, porém, dos mais esclarecidos da equipa.
o Sporar – Ausente na 1ª parte, perdida incrível aos 49’. Muito ativo no final, rematou ao poste no lance do 2º golo.
o Gaitán – Arma secreta bem-sucedida, fez um remate e excelentes passes para a área.
o André Horta – Interventivo no tempo que jogou.
o Fransérgio - É o líder da equipa dos minhotos e trabalha no campo para merecer o estatuto. Domina bem os processos do meio-campo atacante e aparece para finalizar. Empatou no fim.
o Borja – Tentou dar profundidade à esquerda.
o Rolando–Substituiu Carmo.
o Ruiz – Não correspondeu.

Chapéu de abas largas pintado de vermelho
o Diogo Costa – Ineguro a sair do postes, sem comprometer. Manafá – Tem crescido e tem-se consolidado.
o Mbemba –Nunca mostrou cansaço.
o Pepe –O patrão voltou a estar irrepreensível. Começa a ser um lugar comum.
o Sarr – Esteve em plano elevado.
o Sérgio Oliveira – O cérebro continua em alta voltagem. Atacou com 11, sacrificado com 10.
o Fábio Vieira – Falta-lhe a experiência, mas a qualidade está lá.
o Uribe – Incansável, encheu o meio-campo. Agressão a Esgaio era evitável.
o Marega – Nunca deixou de correr e de lutar, mas esteve pouco presente.
o Luis Díaz – Não estava a ser exuberante, mas tem sempre magia. O vermelho direto foi totalmente exagerado.
o João Mário – Entrou a 25 minutos do tempo útil de jogo e acabou por cumprir a missão.
o Loum – Mais um bloco na muralha, numa altura necessária.
o Taremi - O homem do jogo. Não apenas pelo magistral chapéu, mas pelo que construiu e rematou antes da expulsão de Díaz. Saiu a 10 minutos do fim, porque eram necessárias outras pilhas. 
o Grujic – Não teve muito tempo, mas não se viu.
o Evanilson – Entrou para dar presença à frente, e deu.

ANÁLISE
+ Iraniano ‘on fire’
Taremi pode até ter um estilo pouco ortodoxo, mas é de uma eficácia tremenda. Dá um trabalho tremendo a qualquer defesa e tem golo. O chapéu, de primeira, é de antologia.

- Banco do FC Porto
Por muito que se sinta prejudicado, o banco do FC Porto não pode reagir como reage. Conceição livrou-se de mais uma expulsão ao contrário de Luís Gonçalves. Mau exemplo.

Vermelho exagerado
O lance é visualmente forte e até pode estar na norma da arbitragem, mas o vermelho a Luis Díaz é exagerado. O colombiano atinge Carmo, mas não tinha como evitar. Bem na expulsão de Uribe por agressão.
Ver comentários