Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Marega dá vitória decisiva ao Dragão

Maliano cabeceou para a vitória e para o título, agora à distância de um único ponto.
Sérgio Pereira Cardoso 30 de Abril de 2018 às 01:30
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Claque FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Claque FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Marítimo-FC Porto
Claque FC Porto
Marega, quem mais? Em cima da hora, o maliano confirmou, de cabeça, o facto de ser a figura do ano no plantel do FC Porto e, muito provavelmente, no próprio campeonato. Depois de algumas dificuldades na primeira parte, os dragões viram-se com um jogador a mais, mas sofreram com a ansiedade. Até ao golo, que deixa os azuis-e-brancos a um ponto de distância do título nacional.

A festa portista no relvado - Felipe até chorou, ele que vai falhar o próximo encontro - não deixa lugar a dúvidas. É impensável, para não utilizar outro adjetivo, que possa vir a perder os dois jogos que restam - Feirense (casa) e V. Guimarães (fora). Aliás, até pode vir a celebrar no sofá, caso Sporting e Benfica venham a empatar no clássico do próximo sábado.

Há, porém, muito para contar sobre o encontro de ontem. Num terreno escorregadio, o FC Porto até entrou com personalidade - Amir foi respondendo bem -, mas prontamente o Marítimo impôs respeito e obrigou Casillas a mostrar serviço.

Viveu-se, então, uma primeira parte de desconcentrações de parte a parte e muitas faltas a meio-campo. Até ao minuto 40, que é necessário descrever com pormenor. Passe excelso de Sérgio Oliveira, Soares toca na bola e é atropelado de forma muito violenta por Amir. A falta e o vermelho não merecem muita discussão, a não ser pelo toque de Soares com o braço depois de empurrão de Zainadine. Mas, ainda assim, Xistra poderia entender como grosseira a entrada de Amir. Benefício da dúvida ao árbitro.

Com um a menos, o Marítimo fechou-se e o FC Porto enfrentou dois inimigos: esse mesmo muro madeirense, mas principalmente a própria ansiedade. A verdade é que as oportunidades foram aparecendo, porém sem nunca terem a devida conclusão. Sérgio Oliveira tentou de longe (48’), Otávio decidiu passar na hora do remate (52’), Marega atirou por cima (62’) e Soares foi derrotado (75’, 76’ e 87’) pelos nervos.

Até que, num canto de Alex Telles, Marega mostrou ter a cabeça no sítio, subiu lá no alto e deu o ponto final nas dúvidas do jogo, no jejum de seis anos sem vitórias nos Barreiros e, tudo indica, no campeonato. Outrora alvo de piadas e tarjas dos rivais, voltou a ser o herói. Festa rija, abraços e lágrimas no relvado. Via aberta para o título.

ANÁLISE
Conceição merece sorrir
Fez todas as substituições a pensar na vitória. Estava com um a mais, sim, mas arriscou na retaguarda numa altura em que o empate nada punha em causa. Não só por este jogo, por tudo o que fez nesta temporada, Sérgio Conceição merece o final feliz.

Amir, asneira da grossa
Entrada intempestiva e atrasada sobre Soares não teve qualquer nexo, quando até estava a ser um muro na baliza madeirense. O pior final para uma semana em que foi alvo de uma denúncia anónima de suposto aliciamento por parte dos azuis-e-brancos.

Lance muito complicado
Amir faz falta grosseira para vermelho. A questão - que não invalida o cartão, mas a falta - reside no toque de Soares com o braço, motivado pelo empurrão de Zainadine. Difícil. Segunda expulsão sem contestação. Dúvidas em golo anulado ao FC Porto.

Conceição: "Não há festa antecipada"
Depois de o FC Porto garantir praticamente a conquista do título, Sérgio Conceição colocou um travão na euforia, apesar de estar ciente de que os três pontos têm um sabor muito especial. "A festa é o normal de uma equipa que trabalhou bastante para ganhar. Temos consciência de que não acabou. Ainda nos faltam pontos, neste caso um, para sermos campeões. Temos isso na nossa mente. Aqui não há nenhum tipo de festa antecipada, nada disso. Temos muito respeito pelos nossos adversários", disse o treinador do FC Porto, que garantiu que a equipa em nenhum momento do jogo pensou em empatar. "Quisemos ganhar e fiz substituições para ganhar", garantiu.

Sérgio Conceição lamentou ainda a ausência de Felipe no próximo jogo, por castigo, mas elogiou o defesa brasileiro. "É um jogador fantástico, um verdadeiro campeão. Vai voltar ao onze no jogo com o V. Guimarães", revelou o técnico sem deixar de destacar que o Marítimo vendeu cara a derrota.
Marega FC Porto Guimarães Sporting Marítimo Benfica futebol desporto Sérgio Conceição
Ver comentários