Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

"No que dependeu de nós não fizemos nada de mal": Jorge Jesus sobre época do Benfica

Treinador continua a justificar a má época das águias com os vários casos de Covid-19 em toda a estrutura.
Filipe António Ferreira 10 de Abril de 2021 às 09:22
Jorge Jesus
Pizzi, se jogar sobre a direita, pode levar Rafa a mudar para a esquerda
Jorge Jesus
Pizzi, se jogar sobre a direita, pode levar Rafa a mudar para a esquerda
Jorge Jesus
Pizzi, se jogar sobre a direita, pode levar Rafa a mudar para a esquerda

Os casos de Covid-19 que fustigaram toda a estrutura do futebol do Benfica continuam a ser, para Jorge Jesus, o principal responsável pela má época. "No que dependeu de nós não fizemos nada de mal. Nada! São coisas que não consegues controlar e aconteceu ao Benfica, foram dois meses fatais para nós."

Na antevisão ao jogo deste sábado com o P. Ferreira (20h30), o treinador reconheceu que depois de todos esses casos começou a treinar "com todos os jogadores disponíveis" e "os resultados responderam pela positiva"."Perdemos muitos pontos e agora andamos atrás, jogo a jogo, a pensar que estamos em terceiro e queremos chegar ao segundo lugar", salientou Jesus, que desvalorizou o empate do Sporting na última jornada: "Um jogo não diz nada. Agora, a soma de muitos jogos pode dizer alguma coisa."

O atual bom momento das águias é justificado, em parte, pelo setor defensivo. "Os jogadores sabem melhor o que têm de fazer e isso tem feito com que a equipa seja das que mais pontos fez na segunda volta, fruto da organização defensiva forte e da entrada de alguns elementos, não só do Lucas Veríssimo, mas também do Diogo Gonçalves e do Helton. Entraram e a equipa melhorou, é um facto. Faltam muitos jogos e vamos tentar ser a equipa com menos golos sofridos", salientou.

Sobre a carga de jogos criticada por Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, Jesus disse que preferia "jogar com o P. Ferreira e passados três dias jogar os ‘quartos’ da Liga Europa".

Sobre as propostas de redução do número de equipas na Liga (16) e ‘meias’ da Taça de Portugal a um só jogo, Jesus analisou: "As equipas que lutam pelas competições europeias têm mais jogos e menos dias para recuperar. Mas também é preciso olhar para as equipas que não vão à Europa. Para essas há menos jogos e menos competição, para os grandes é o ideal. Na Taça, tirar um jogo não vai fazer a diferença. É muito melhor para as equipas que querem estar na final jogar só um jogo. Cada um puxa a brasa à sua sardinha, percebo as partes."

Pizzi de regresso aponta ao onze
Pizzi está de regresso aos convocados de Jorge Jesus para o duelo com o Paços de Ferreira. O médio cumpriu um jogo de castigo e agora é opção para o encontro na Capital do Móvel. O jogador pode mesmo ser chamado ao onze para jogar mais descaído na direita. Nesse caso, o sacrificado será Everton, que voltou a estar alguns furos abaixo no último encontro com o Marítimo. Se a opção recair por Pizzi, Rafa poderá ser deslocado para a esquerda. A última vez que o capitão das águias surgiu no onze titular foi há cerca de um mês quando as águias venceram no Estádio Nacional o Belenenses por 2-0.
De resto, não haverá grandes surpresas no onze. Waldschmidt e Seferovic formam a dupla atacante, enquanto o esquema defensivo deverá manter quatro jogadores. O Benfica não sofre golos há seis jogos oficiais em Portugal (cinco na Liga).

"Teremos de colocar fato-macaco"
"O Benfica está muito bem em termos de resultados. Tem muitas oportunidades e está a ter consistência, num rendimento que está muito alto. Será muito difícil, mas, mais do que coragem e olhar nos olhos, a palavra certa é superação. Teremos de colocar o fato-macaco e ter superação no campo", disse Pepa, treinador do P. Ferreira, que não vai contar com Tanque (castigado) e os lesionados Marco Baixinho e Diaby.

Jorge Jesus Benfica desporto futebol
Ver comentários