Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

Portugal arrasa e começa bem defesa do título no Euro

Seleção Nacional venceu por 3-0, mas o resultado podia ter sido mais volumoso, tal o domínio exercido e as oportunidades desperdiçadas.
Octávio Lopes 16 de Junho de 2021 às 01:30
Cristiano Ronaldo finta o guarda-redes da Hungria, Gulacsi, e faz o terceiro golo de Portugal, no Puskas Arena, em Budapeste
Cristiano Ronaldo finta o guarda-redes da Hungria, Gulacsi, e faz o terceiro golo de Portugal, no Puskas Arena, em Budapeste FOTO: LASZLO BALOGH/reuters
Portugal começou a defesa do título europeu com uma boa exibição diante da Hungria e uma vitória fácil, por 3-0, que só peca por escassa, tendo em conta as oportunidades falhadas. Cristiano Ronaldo bisou e já é o melhor goleador de fases finais do Euro com 11 golos, mais dois do que o francês Michel Platini. Além disso, chegou aos 106 golos e está a apenas três do melhor artilheiro de seleções, o iraniano Ali Daei.

O jogo desta terça-feira, em Budapeste, começou com a equipa das Quinas a dominar totalmente na 1ª parte, em que só faltou o golo. E oportunidades não faltaram. O desperdício começou logo no minuto 5 - Diogo Jota, na área, atirou para defesa apertada de Gulacsi. Tinha CR7 solto a seu lado. No minuto 9, o mesmo Diogo Jota, após livre de Bruno Fernandes, voltou a ficar sem oposição na área, e voltou a falhar - desta vez atirou por cima. Seguiram-se longos minutos de total domínio luso, embora sem criar oportunidades. O desperdício voltou aos 40’ - Bernardo Silva, na direita, isolou Nélson Semedo, que centrou para Jota rematar à meia-volta para nova boa defesa de Gulacsi. Três minutos depois, foi a vez de CR7 falhar o impensável - à boca da baliza, atirou por cima, um golo oferecido por Bruno Fernandes.

Na 2ª parte, o domínio luso não foi tão avassalador. A Hungria teve alguma bola, sem causar perigo. Já Gulacsi, antes de sofrer os golos, fez grandes defesas a uma cabeçada de Pepe e um tiro fora da área de Bruno Fernandes. O desperdício continuava, até que a sorte mudou e Portugal chegou ao 1-0, num remate de Rapahel Guerreiro que bateu num defesa e enganou Gulacsi. Logo a seguir o 2-0, por Ronaldo, de penálti, a castigar falta sobre Rafa, na sequência de um lance em que Renato Sanches levou tudo à frente e ganhou vários ressaltos. O 3-0 resultou de uma jogada genial (33 passes) - a bola chegou a CR7, que faturou depois de fintar Gulacsi.

Mais e menos
+1ª parte de Portugal
Portugal entrou à campeão e dominou por completo na 1ª parte, em que Rui Patrício não fez uma única defesa digna desse nome. Criou várias oportunidades e só faltou calma e pontaria na hora de rematar a faena.

-Hungria
A jogar perante mais de 50 mil fervorosos adeptos, a Hungria nunca foi capaz de criar lances de verdadeiro perigo junto da baliza de Portugal. Nem nos despiques físicos do meio-campo foram capazes de atrapalhar os guerreiros lusos.

Árbitro
Erros sem influência
O turco Cuneit Çakir cometeu alguns erros - cantos que ficaram por marcar - mas não teve influência no resultado. Esteve bem no penálti cometido sobre Rafa, bem como em todos os cartões que mostrou.

"Próximo jogo é para ganhar"
"Importante era ganhar. Foi um jogo difícil. A Hungria defendeu muito bem durante os 90 minutos. Conseguimos marcar três golos e estou muito agradecido à equipa por me ter ajudado a marcar dois golos e a ser o homem do jogo. Era fundamental entrar com o pé direito para dar confiança. Agora é continuar. O próximo jogo é para ganhar", disse Cristiano Ronaldo ao receber a distinção de homem do jogo. O craque português é agora o único jogador que participou em cinco fases finais de Europeus. Nas edições de 2004, 2008, 2012, 2016 e 2020 marcou 11 golos, registo que também passa a ser um recorde (até esta terça-feira, o capitão da seleção nacional estava empatado com o francês Michel Platini, com 9). Aos 36 anos, CR7 tem agora 106 golos com a camisola portuguesa e está mais perto de igualar o antigo avançado iraniano Ali Daei (109) como máximo goleador de sempre por seleções. Cristiano Ronaldo isolou-se também como o jogador com mais vitórias (12) em fases finais de Campeonatos da Europa, superando uma dupla espanhola: Iniesta e Xavi (11).

Santos diz que "o golo está caro"
Fernando Santos mostrou-se satisfeito com a prestação da equipa: "Fizemos um bom jogo. Foi uma vitória justíssima." "O golo está caro. Fica a sensação de que podemos marcar muitos golos, mas cada vez mais as equipas defendem bem e é preciso encontrar espaços. Portugal jogou bem, com um jogo de posse, de variação, podíamos ter aproveitado a profundidade. Criámos quatro ou cinco situações claras de golo", disse o técnico, que destacou as entradas de Rafa e Renato Sanches. "É uma vitória importante, mas não passa disso. O mais importante é passar esta fase e depois entrar no ‘mata-mata’, como diria Scolari", finalizou.
Ver comentários