Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

Ronaldo nega ter fugido aos impostos nos negócios dos hotéis

Jornais espanhóis e alemão dizem que o jogador canalizou lucros para sociedades no Luxemburgo e Jersey.
20 de Abril de 2018 às 18:15
Cristiano Ronaldo
Cristiano Ronaldo na Madeira
Cristiano Ronaldo
Cristiano Ronaldo na Madeira
Cristiano Ronaldo
Cristiano Ronaldo na Madeira

O jornal espanhol El Mundo e o alemão Der Spiegel avançam esta sexta-feira com novas revelações sobre os negócios de Cristiano Ronaldo. As duas publicações noticiam que o jogador português usou sociedades offshore para gerir os seus negócios hoteleiros. O que inclui os proveitos que terá tido com as unidades CR7 by Pestana, que em Portugal existem em Lisboa e no Funchal.

Os advogados do craque já vieram negar que Ronaldo tenha fugido aos impostos nos negócios dos hotéis, acrescentando que as autoridades tributárias espanholas têm "cabal conhecimento da existência destas sociedades". Além disso, referem que a CRS HOLDING foi "declarada e incluída em todas as declarações de bens no estrangeiro" desde a sua constituição.

O consórcio internacional de jornalistas a que pertencem os dois jornais terá apurado que , deste junho de 2015, o futebolista operou os seus negócios hoteleiros através de um consórcio situado no Luxemburgo, em ligação com uma empresa participada da ilha de Jersey. Ambas as zonas são consideradas 'paraísos fiscais' por cobrarem impostos muito abaixo do praticado na Europa.

O El Mundo detalha que a empresa luxemburguesa CRS Holding administrava as participações de Ronaldo "numa série de negócios turísticos propriedade de uma 'trust' sediada na ilha do Canal da Mancha". O jornal ressalva que o nome de Ronaldo não aparece em nenhum documento público, mas os jornalistas terão acedido a documentos que alegadamente provam que o jogador é o único beneficiário da Private Trustees, dona das empresas sediadas no Luxemburgo e Jersey.

A notícia surge numa altura em que o processo de que Ronaldo é alvo por parte do Fisco espanhol entra numa fase decisiva. Nas próximas semanas, o tribunal de Madrid deverá decidir se o jogador do Real Madrid vai a julgamento, sob a acusação de ter desviado 14 milhões de euros da autoridade tributária do país vizinho.

As sociedades são diferentes daquelas que o Fisco espanhol diz terem sido usadas abusivamente para ocultar receitas dos direitos de imagem do jogador, mas o El Mundo revela que o modo de funcionamento será o mesmo.

Ver comentários