Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

João Sousa "confiante" procura "momento de viragem" no Estoril Open

Tenista regista esta época uma vitória em quadros principais do ATP Tour.
Lusa 24 de Abril de 2021 às 09:11
Tenista João Sousa
Tenista João Sousa FOTO: Reuters
João Sousa é o único tenista português campeão do Estoril Open e, este ano, a viver "uma fase menos boa", espera encontrar no Clube de Ténis do Estoril o "momento de viragem" para voltar aos bons resultados.

De regresso a Portugal, onde foi muito feliz e levou os portugueses aos píncaros, em 2018, o vimaranense, 105.º colocado no 'ranking' ATP, precisou de um 'wild card' para aceder ao quadro principal do ATP 250, algo nunca antes sucedido nas anteriores cinco edições do evento no Clube de Ténis do Estoril, que este ano decorrerá, entre 26 de abril e 2 de maio, à porta fechada, devido à pandemia da Covid-19.

"Estou enormemente agradecido à organização pelo 'wild card' e espero estar à altura da expectativa e poder fazer um grande torneio. Momento de viragem? Porque não? O ténis, numa semana, pode mudar e porque não nesta semana? Quem sabe? Da minha parte vou dar tudo por tudo e preparar-me da melhor maneira. Tenho vindo a subir de nível, mas infelizmente ainda não foi suficiente", afirmou, em declarações à agência Lusa.

João Sousa, de 32 anos, regista esta época uma vitória em quadros principais do ATP Tour e vai tentar "em casa", onde se sente "mais confiante e confortável", junto da "família, amigos e o público português", recuperar "um bom nível" de jogo.

"Estou contente por regressar e voltar a competir em casa, num torneio em que já fui muito feliz e o melhor torneio do ATP Tour. Será obviamente em circunstâncias diferentes daquilo que nós portugueses gostaríamos, mas sinto que as pessoas, que gostam de mim e me acompanham, estão comigo. Espero poder fazer mais um excelente torneio", sustentou o minhoto.

De regresso aos 'courts' de terra batida do Clube de Ténis do Estoril, estará igualmente Pedro Sousa, o número dois português e 112.º classificado na hierarquia mundial, para disputar por mérito próprio o 'qualifying', na companhia de Frederico Silva (171.º ATP) e o estreante Nuno Borges (331.º ATP), ambos agraciados com um 'wild card'.

"Vou iniciar uma das minhas fases favoritas do ano, com o Estoril Open, Roland Garros e um 'challenger' 125 em Oeiras, por isso estou contente de voltar à competição e espero que os resultados apareçam", avançou Pedro Sousa, garantindo estar "bem fisicamente e recuperado da lesão" no pé esquerdo.

Por se sentir "completamente esgotado" depois do Open da Austrália, em que só conseguiu passar "dois ou três dias em casa", o lisboeta, que por duas vezes atingiu a segunda ronda do quadro principal no Clube de Ténis do Estoril, optou por "parar, descansar um pouco, estar com a família, amigos e recarregar baterias".

"Depois disso, foram duas semanas de treino intenso, o que já não acontecia há algum tempo, por isso sinto-me bem e com vontade de voltar a competir. Treinei no Centro de Alto Rendimento e, como o [Fernando] Verdasco esteve em Lisboa, treinei dois ou três dias com ele. Tentei preparar-me da melhor maneira possível, como faço sempre", revelou.

Além de recusar sentir "pressão por jogar em casa", o experiente jogador sublinha que "o Estoril Open é sempre um dos pontos altos do ano e jogar naquele 'court' central, com o público português a apoiar, é do melhor que vivemos durante o ano".

"Acho que até nos ajuda bastante e normalmente conseguimos fazer bons encontros e bons resultados no Estoril. Vamos sentir a falta do público", frisou Pedro Sousa, estabelecendo como "objetivo primário chegar ao quadro principal, num 'qualy' que está bastante duro e excelentes jogadores".

Ver comentários