Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
9

Morreu o ex-ciclista Alves Barbosa, vencedor da Volta a Portugal por três vezes

Foi o primeiro português a ficar colocado nos dez primeiros da Volta à França.
29 de Setembro de 2018 às 13:10
Alves Barbosa
Alves Barbosa
Alves Barbosa
Alves Barbosa
Alves Barbosa
Alves Barbosa
O antigo ciclista Alves Barbosa, o primeiro corredor a vencer por três vezes a Volta a Portugal em bicicleta, morreu este sábado na Figueira da Foz aos 86 anos.

O antigo ciclista, que ao longo da carreira apenas representou o Sangalhos, venceu as edições de 1951, 1956 e 1958 da Volta a Portugal e terminou no 10.º lugar a Volta a França de 1956.

Alves Barbosa morreu este sábado no Hospital distrital da Figueira da Foz, onde estava internado, devido a problemas respiratórios e cardíacos "que se complicaram", disse à Lusa o antigo presidente da autarquia de Montemor-o-Velho Luís Leal, sobrinho de Alves Barbosa.

António da Silva Barbosa, conhecido por Alves Barbosa - filho do também ciclista José Alves Barbosa, um dos dinamizadores do ciclismo na Figueira da Foz -, nasceu na povoação da Fontela, freguesia de Vila Verde, em 24 de dezembro de 1931, mas mudou-se em pequeno para o concelho vizinho de Montemor-o-Velho, onde residia.

Iniciou a carreira de ciclista em 1950 com um 11.º lugar na Volta a Portugal, prova que venceria no ano seguinte, com apenas 19 anos, segurando a camisola amarela do primeiro ao último dia.

Voltou a vencer a mais importante competição nacional em 1956 e 1958, tendo perdido a vitória em 1955, com a meta no Porto à vista, após ter sido agredido, nos Carvalhos, por espetadores que lhe partiram a bicicleta, lê-se numa publicação da Federação Portuguesa de Ciclismo.

Campeão Nacional de fundo entre 1954 e 1956, neste último ano tornou-se o primeiro ciclista português a participar na Volta a França, ao serviço da seleção do Luxemburgo, arrebatando um sexto lugar na primeira etapa e alcançando o 10.º posto na classificação final.

Além do Tour, Alves Barbosa participou em diversas provas no estrangeiro, como as Voltas a Espanha, Andaluzia, Marrocos ou Venezuela, tendo vencido em 1955 a Corrida 09 de Julho, em São Paulo, no Brasil, então a maior prova velocipédica da América do Sul, então com cerca de 500 participantes.

Iniciou uma carreira de treinador em 1961 no Benfica e foi Diretor Técnico Nacional da modalidade em dois períodos, entre 1975 e 1978 e 1989 e 1992. Em 1990, Alves Barbosa foi agraciado pelo Governo com a medalha de mérito desportivo.

O funeral do antigo ciclista realiza-se no domingo, às 17h00, em Montemor-o-Velho.

Federação de ciclismo profundamente consternada
A Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC) assumiu-se este sábado "profundamente consternada" com a morte de Alves Barbosa, aos 86 anos, enaltecendo-o como "uma das maiores figuras da história" da modalidade no país.

"Alves Barbosa é uma das maiores figuras da história do ciclismo português, tendo granjeado prestígio enquanto corredor -- um dos melhores de sempre -, mas também como treinador e como dirigente", lê-se no comunicado da FPC.

O antigo ciclista, que ao longo da carreira apenas representou o Sangalhos, venceu as edições de 1951, 1956 e 1958 da Volta a Portugal e terminou no 10.º lugar a Volta a França de 1956, então ao serviço da seleção do Luxemburgo.

"Lamento imenso esta perda e tenho pena que não esteja vivo para acompanhar a celebração dos 120 anos da FPC, que acontecerá ao longo do próximo ano. Alves Barbosa foi uma das maiores referências do ciclismo português e uma pessoa admirável", afirmou o presidente federativo, Delmino Pereira, citado no mesmo comunicado.

Artur Lopes, antigo presidente da FPC e atual líder da Mesa da Assembleia Geral do organismo, também recordou Alves Barbosa, equiparando-o a Joaquim Agostinho.

"Recordo-me, de quando era miúdo, ir ver o Circuito da Malveira com o meu pai e de olhar para o Alves Barbosa como se fosse um Deus. Ele tinha um nível de popularidade que, se calhar, nem o Agostinho conseguiu. Tenho pelo Alves Barbosa um imenso respeito e é o sentimento que todos lhe devemos", referiu Artur Lopes.

Alves Barbosa nasceu em Vila Verde, Figueira da Foz, em 1931, e morreu este sábado no Hospital distrital da Figueira da Foz, onde estava internado, devido a problemas respiratórios e cardíacos.

Presidente da República e Governo apresentam condolências
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o Governo apresentaram as condolências à família do antigo ciclista Alves Barbosa, que morreu este sábado, aos 86 anos, devido a problemas respiratórios e cardíacos.

"O Presidente da República apresenta as suas condolências à família de Alves Barbosa", lê-se na página oficial da Presidência da República na Internet.

Alves Barbosa, que ao longo da carreira apenas representou o Sangalhos, venceu as edições de 1951, 1956 e 1958 e foi o primeiro português a disputar a Volta a França, em 1956, quando foi 10.º classificado na prova em que alinhou ao serviço da seleção do Luxemburgo.

"Honra à memória deste grande senhor do ciclismo. Alves Barbosa deixa-nos uma carreira que servirá de inspiração para as gerações futuras. Um grande abraço à sua família e à do ciclismo português", escreveu o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, na sua página no Twitter.

Alves Barbosa Volta à França Volta a Portugal desporto ciclismo
Ver comentários