Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

"O meu filho sempre foi o melhor do mundo em tudo", conta o pai de Ricardinho

Pais da estrela portuguesa choraram e rezaram a ver a final que deu título europeu a Portugal
Lusa 10 de Fevereiro de 2018 às 23:42
Ricardinho celebra vitória no Europeu
Ricardinho celebra vitória no Europeu
Ricardinho celebra vitória no Europeu
Ricardinho celebra vitória no Europeu
Ricardinho celebra vitória no Europeu
Ricardinho celebra vitória no Europeu
Ricardinho celebra vitória no Europeu
Ricardinho celebra vitória no Europeu
Ricardinho celebra vitória no Europeu
Américo e Olga David, pais do capitão da seleção portuguesa de futsal, Ricardinho, que hoje venceu o Campeonato da Europa na Eslovénia viveram a final com a Espanha entre a fé e o susto pela lesão do filho.

"Valeu a pena. Deus ouviu as minhas preces", desabafou a mãe do cinco vezes eleito melhor jogador do mundo, natural de Valbom, distrito do Porto, depois de um jogo em que "sofreu muito" e que só o recurso "à bomba de ar" a manteve depois da lesão do filho.

Lembrando que o triunfo após prolongamento por 3-2 sobre Espanha valeu ao filho um "prémio que ainda lhe faltava", agradeceu o desfecho para que pudesse, no final, "chorar lágrimas de alegria".

Remetido a uma cadeira de rodas depois de há anos lhe ter sido amputada parte da perna esquerda, o final do jogo não afastou os nervos a Américo David, refugiando-se em "mais um cigarro" em busca do relaxamento necessário antes de falar aos jornalistas.

"Sofri muito. Durante o jogo fui buscar o meu terço e rezei, rezei muito", confessou entre lágrimas o pai de Ricardinho, vincando ser este um título com que o filho "sempre sonhou", frente a uma Espanha "que não é uma seleção qualquer".

Mais calmo, deixou que o orgulho passasse para as palavras: "Desde que o meu filho entrou para o futsal a modalidade conquistou muitos adeptos, com aquelas fintas em que ele é exímio. O meu filho sempre foi o melhor do mundo em tudo. Ele trabalhou e batalhou muito por isso".

No rês-do-chão esquerdo de um Bairro de Timor em silêncio, a festa a dois continuou entre telefonemas de amigos, admitindo Américo David que no momento em que o filho se lesionou "deixou de pensar no jogo".

"Eu queria que Portugal ganhasse, mas fiquei mais preocupado com a lesão", explicou, sobre um filho com quem disse não "falar desde que há duas semanas integrou o estágio da seleção", num raciocínio acompanhado pela esposa que, uma vez o jogo terminado, "só queria ter estado no pavilhão para poder saltar para dentro de campo e o abraçar".

Recordando o filho mais velho, Hugo, "que está preso, e sem possibilidade de ter contacto com o irmão", e o mais novo, Rúben, que também não viu a final "por ter tido jogo com a sua equipa de futsal", Olga David expressou o seu desejo mais urgente: "uma boleia para ir esperar amanhã [no domingo] o filho a Lisboa".

Convidado a comparar as incidências da final do Euro2016, em França, e as de hoje em Lubliana, Américo David admitiu haver semelhanças, argumentando que a vitória só aconteceu porque "Portugal não é o Ricardinho, mas sim uma equipa".

Ricardinho ergueu o primeiro título europeu de futsal de Portugal, depois de um jogo em que inaugurou o marcador, logo no primeiro minuto, e saiu lesionado.

O melhor jogador do mundo em 2010, 2014, 2015, 2016 e 2017 foi ainda eleito o melhor jogador da competição, juntando esta distinção ao título de melhor marcador, com sete golos.
Ver comentários