Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
3

Pedro Pichardo é o quinto campeão olímpico de Portugal

É o primeiro ouro olímpico para Portugal em 13 anos.
Lusa 5 de Agosto de 2021 às 07:13
Pedro Pichardo é ouro em Tóquio
Pedro Pichardo é ouro em Tóquio FOTO: Diego Azubel / Lusa_EPA
Portugal encontrou esta quinta-feira o seu quinto campeão olímpico no atleta Pedro Pichardo, que conquistou a medalha de ouro no triplo salto de Tóquio2020, precisamente na prova de despedida do quarto laureado, Nelson Évora.

Dois dias após Nelson Évora dizer adeus aos Jogos na qualificação da disciplina em que ganhou o concurso olímpico em Pequim2008, Pichardo fazia cumprir-se o seu próprio legado, depois de conseguir nesse momento o melhor salto da história das rondas preliminares dos Jogos, com 17,71 metros.

No Estádio Nacional, o atleta luso, nascido em Cuba, conseguiu esta quinta-feira o primeiro ouro olímpico para Portugal em 13 anos, após os êxitos na maratona, de Carlos Lopes (1984) e Rosa Mota (1988), nos 10.000 metros, de Fernanda Ribeiro (1996), e de Nelson Évora, no triplo, em 2008.

De resto, Portugal só 'sabe' ganhar a medalha de ouro nos Estados Unidos, com Lopes e Ribeiro, ou em capitais asiáticas, com Tóquio a juntar-se a Seul e Pequim na lista.

Carlos Lopes, que vinha de uma prata nos 10.000 metros de Montreal1976, conseguiu o primeiro de cinco ouros da história portuguesa na cidade norte-americana de Los Angeles.

Lesionado em Moscovo1980, o maratonista luso tornou-se no primeiro herói olímpico nacional com um recorde dos Jogos, de 2:09.21 horas, que só viria a ser batido em Pequim2008, pelo queniano Sammy Wanjiru.

Em 1988, à chegada à capital da Coreia do Sul o favoritismo era todo de Rosa Mota, campeã mundial meses antes em Roma, e a atleta portuense confirmou-o de forma eloquente, ao triunfar na maratona com incríveis sete minutos de avanço sobre a segunda classificada.

Mais tarde, em Atlanta, Fernanda Ribeiro voltou a dourar Portugal, de novo nos Estados Unidos, com a atleta de Penafiel a efetuar uma recuperação fantástica para ultrapassar a chinesa Wang Junxia a 20 metros da meta.

Em Pequim, o campeão do mundo no triplo salto Nelson Évora 'voou' mais do que a forte concorrência, até aos 17,67 metros.

O sucessor chegou nos mesmos Jogos em que disse adeus e na 'sua' disciplina, que iguala a maratona, com dois ouros, no que é o segundo primeiro lugar para o país no século XXI.

Ver comentários