Barra Cofina

Correio da Manhã

Domingo
6

GAROTAS DE IPANEMA

O Brasil está na moda. Os mais distraídos julgam que é por causa do Mundial de Futebol e as vozes femininas estão convencidas de que tudo se deve à telenovela O Clone, que gerou uma onda de entusiasmo pela dança do ventre e pela cultura marroquina. Nada disso. É nas passerelles mundiais que o Brasil está em força.
26 de Julho de 2002 às 19:41
Nomes como Gisele Bündchen ( famosa namorada de Leonardo DiCaprio), Adriana Lima, (é linda de morrer, mas já tem namorado: o cantor Lenny Kravitz), Fernanda Tavares (imagem da nova gama L’Oreal), Caroline Ribeiro, Isabeli Fontana, Raica de Oliveira ou Mariana Weickert (até com um nariz à Barbara Streisand, conseguiu despertar a atenção dos media), são algumas das vedetas que entraram de rompante no mundo da moda e têm o privilégio de ostentar, de novo, o cognome de top models.

Depois da ascensão e queda de algumas das mais famosas top models dos anos 80/90, como Carla Bruni, Linda Evangelista, Cindy Crawford, Elle McPherson, Karen Mulder, Christy Turlington e a recém-casada Claudia Schiffer - que brilharam com luz própria nos desfiles do malogrado Gianni Versace ou da prestigiada casa francesa, Chanel - vários estilistas mundiais fartaram-se de ver as suas criações ofuscadas pelo brilho e glamour destas estrelas cadentes, famosas por exigirem cachets exorbitantes (caso contrário, nem se levantavam da cama) e mordomias impraticáveis, só toleradas a algumas das mais conceituadas celebridades da sétima arte. Mas como estas jovens se limitavam, apenas, a andar em cima de uma passerelle, de saltos altos, e nem sequer tinham talento para representar, viram o seu reinado ser destronado por uma jovem inglesa, de 14 anos, descoberta no aeroporto JFK, com menos de 1.70 e somente 50 quilos: Kate Moss, que actualmente aguarda, com expectativa, a chegada do seu primeiro filho.

No país do fio dental

Durante vários anos, os desfiles estiveram entregues a raparigas anónimas, que se limitavam a servir de “cabide” para as roupas, sem nunca conhecerem o significado da palavra fama. Mas a chegada da brasileira Gisele Bündchen, no final da década de 90, serviu de pretexto para desencadear uma pequena revolução nos bastidores da moda internacional, que voltou a apostar em novas estrelas. Um simples problema se levantava: onde encontrá-las? Dos países de Leste já não se esperavam grandes surpresas (excepção feita para a checa Karolina Kurkova, uma loira perfeita, que ainda vai dar muito que falar), e por isso, estava na hora certa de partir à aventura, de desbravar novas terras, na tentativa de encontrar jovens exóticas, morenas, com corpos perfeitos e dourados pelo Sol – além do Brasil, que outro país reúne tão bem essas condições?

Foi precisamente durante o ano de 2000 que o mundo da moda despertou para este território, o grande impulsionador do famoso fio dental (que deixou de estar confinado à roupa interior, e é cada vez mais usado na praia, sem complexos). Sem possibilidades de recorrerem ao discreto fato de banho preto, as brasileiras não têm outra saída senão cuidar da forma física. Além de serem viciadas nos ginásios e nas clínicas de estética, o segredo do sucesso só pode estar no samba, um exercício físico tão completo quanto uma aula de aeróbica. O que não faltam são sósias de Fernanda Tavares ou Raica Oliveira, de mini-saias reduzidas e biquinis apelativos. Mas nem todas tiveram a sorte de saltar para as capas das mais prestigiadas revistas de moda. Ou de participar na Semana de Moda de São Paulo, que decorreu entre 8 e 13 de Julho e reuniu algumas das mais famosas manequins brasileiras.

Gisele: A Sereia brasileira

"Até começar a trabalhar como modelo, só tinha dinheiro para ir ao McDonald's", lembra Gisele, que foi descoberta num centro comercial, em São Paulo, com apenas 14 anos (em 1999).
Natural de Rio Grande do Sul, Gisele Caroline Bündchen nasceu a20 de Julho de 1980, no seio de uma família humilde, o que obrigava os pais, Valdil e Vania, a trabalhar arduamente para sustentar as seis filhas (todas lindas, e que pretendem seguir as pisadas da irmã). Gisele abandonou a escola aos 14 anos, assim que começou a trabalhar como manequim, depois de se ter mudado para São Paulo, onde ficou agenciada na Elite. Mas foi em Nova Iorque, onde chegou sem falar uma palavra de inglês, que provou o sabor do sucesso.

Dona de um estilo sensual e de umas medidas perfeitas (86-61-86), Gisele começou a trabalhar com os melhores designers da moda internacional e tornou-se estrela principal das campanhas da Dolce & Gabbana, Versace, Ralph Lauren e Valentino. A prestigiada revista Vogue não lhe ficou indiferente e atribui-lhe o título perfeito: The Return of the Sexy Model. Escultural e extremamente atractiva, a jovem brasileira começou a "partir corações" mal aterrou na Big Apple, (fala-se em romances com o actor Josh Hartnett e com o milionário João-Paulo Diniz) mas quando conheceu o galã do filme Titanic, Leonardo DiCaprio, em 2000, viu a sua vida privada exposta em capas de revista. Já se falou em casamento, mas as constantes discussões entre os dois têm adiado esse desejo. Apesar de confessar algum cansaço pelo mundo da moda, onde ganha mais 7 mil euros por hora e 5 milhões de dólares por ano, Gisele chegou a abandonar a carreira em Março de 2001, mas um mês depois reapareceu. A modelo não parece muito interessada no cinema, pois rejeitou o convite para integrar o célebre trio Os Anjos de Charlie.

Adriana Lima: Miss Kravitz

Os seus olhos cor de turquesa e os lábios carnudos são peritos em seduzir a câmara fotográfica. Dona de uma imagem sexy e felina, Adriana Lima é a nova sensação brasileira. A actual namorada de Lenny Kravitz (os dois conheceram-se em Março de 2001, durante uma sessão fotográfica e tornaram-se inseparáveis), nasceu em São Salvador, em 1982, afastada das luzes e do glamour que marcam agora a sua vida. Com apenas 16 anos tentou a sorte no concurso Ford Supermodel of the World e mudou-se para Nova Iorque na esperança de triunfar como modelo. A grande oportunidade surgiu em 2000, durante o desfile da marca de lingerie Victoria's Secret, em Cannes, onde o seu corpo curvilíneo ofuscou algumas das mais conceituadas estrelas do mundo da moda, como Heidi Klum e Laetitia Casta. A partir daí, nunca mais parou de trabalhar para as mais prestigiadas marcas, nomeadamente Christian Lacroix, Ungaro, Emporio Armani, Fendi, Ralph Lauren, Valentino, BCBG, entre outras, e foi escolhida para figurar na capa da Vogue e da Marie Claire. Apesar de ser uma das modelos mais bem pagas do mundo.

Fernanda Tavares: Fabulosa

Com um percurso semelhante ao de Gisele (as duas confessam-se grandes amigas), Fernanda Tavares, natural de Rio Grande do Norte, provém de uma família humilde, que desde cedo incentivou a filha a tentar a sorte na moda. Esta morena, de olhos escuros e expressivos, com uma silhueta perfeita, convenceu o júri do concurso organizado pela agência Elite, The Look of the Year, que lhe atribuiu o primeiro prémio e a colocou a trabalhar em Nova Iorque, onde impressionou meio mundo. Já desfilou para as melhores casas de alta Costura, como Chanel, Ungaro, Lacroix e Chloé (ainda da responsabilidade da inglesa Stella McCartney, que ficou deslumbrada com a sua elegância e com as suas medidas, diferentes das modelos extremamente magras e que ainda dominavam o panorama internacional). Fernanda dá a cara pela campanha publicitária da Mango, Absolut, Giorgio Armani e da L'Oréal Body Expertise, entre muitas outras, e já foi capa da Cosmopolitan e da Vogue, que se confessam fascinadas pela sua beleza latina. Afastada das luzes das câmaras, é na Big Apple que Fernanda se sente em casa, junto da sua mãe e do irmão mais novo.


O Brasil já não é só “rei” do futebol, do carnaval das telenovelas, posicionando-se hoje como um dos maiores exportares de top models do Mundo. Gisele Bündchen ou Adriana Lima são um bom exemplo. Elas têm as passerelles internacionais a seus pés e namoram com dois dos homens mais desejados do mundo. Já ouviu falar de Leonardo DiCaprio e Lenny Kravitz?!
Ver comentários