Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
7

638 milhões de euros de perdas registadas com Fundo de Resolução no Novo Banco podem originar pagamentos

Perdas de 2019 cujo pagamento não foi solicitado podem originar novo pedido de capital.
Salomé Pinto 10 de Abril de 2021 às 09:23
Novo Banco
Novo Banco FOTO: Lusa
Os 638 milhões de euros de perdas registadas ao abrigo do Acordo de Capital Contingente (CCA) do Novo Banco com o Fundo de Resolução, mas não pedidos em 2019, "poderão vir a originar pagamentos" no futuro, segundo a auditoria da Deloitte sobre as contas de 2019 e destinada a escrutinar a injeção de capital por parte do Fundo de Resolução.

Aquando da entrega do relatório, o Fundo de Resolução já tinha dito que o valor injetado no banco em 2020 relativo às contas de 2019 foi inferior em 640 milhões de euros às perdas abrangidas pelo acordo. "Estas perdas poderão vir a originar pagamentos pelo Fundo de Resolução em anos futuros caso os rácios de capital voltem a descer abaixo dos limites definidos no CCA", refere o documento.

"Uma parte muito substancial das perdas registadas em 2019 resulta de ativos originados maioritariamente antes da constituição do Novo Banco e que já apresentavam perdas ou desvalorizações relevantes", constata a auditoria, acrescentado que o Banco Central Europeu identificou, no final de 2018, falhas na contabilização de imparidades no valor de 610 milhões, das quais 394 milhões relativas a créditos e 216 milhões por desvalorizações de imóveis.
Fundo de Resolução no Novo Banco CCA Deloitte política economia negócios e finanças economia (geral)
Ver comentários