Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

Caixa Geral de Depósitos prepara 370 milhões de euros devido a fim das moratórias

Presidente da CGD diz que empresas devem ter apoio “cirúrgico” após fim da moratórias.
Raquel Oliveira 14 de Maio de 2021 às 08:24

A CGD teve no primeiro trimestre um mês que se revelou o melhor no crédito à habitação desde 2008, afirmou esta quinta-feira o presidente do banco público, Paulo Macedo. Mas para prevenir incumprimentos em créditos mais antigos, nomeadamente com o fim das moratórias, a CGD preparou já 370 milhões de euros.

O valor consta da apresentação de resultados feita esta quinta-feira por Paulo Macedo, que se fixaram em 81 milhões de euros no primeiro trimestre, menos 6% do que o período homólogo. No entanto, sublinhou o presidente da Caixa, nestas contas estão custos do ano inteiro, como os regulatórios.

O gestor manifestou-se confiante na recuperação da economia portuguesa no segundo semestre, com o fim do confinamento e a progressão da campanha de vacinação, embora as condições da Banca continuem "difíceis".

No final de abril, o banco público tinha 5,7 mil milhões em créditos em moratórias - suspensão das prestações - , mais de 50% a empresas, de acordo com os dados esta quinta-feira apresentados. Neste âmbito, Paulo Macedo voltou a reiterar a necessidade de as empresas mais afetadas continuarem a ter um apoio, que qualificou de "cirúrgico", nomeadamente das viagens e alojamento.

Crédito
43% foi o valor do crescimento dos empréstimos para a compra de casa, no 1º trimestre.

Geral de Depósitos CGD Paulo Macedo economia negócios e finanças serviços financeiros banca
Ver comentários