Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
7

Marcelo considera que a economia está a provar "muito melhor" do que esperado

Presidente destacou setores da "construção civil, à indústria exportadora, à agricultura, ao setor agroalimentar, a uma parte do comércio e dos serviços".
Lusa 5 de Agosto de 2021 às 18:32
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa FOTO: Lusa
O Presidente da República defendeu esta quinta-feira que a economia portuguesa está a "provar muito melhor" do que o esperado, e que está a criar-se "uma dinâmica" que poderá permitir que o atual trimestre seja "bom".

"Eu acho que a economia está a provar muito melhor do que nós temíamos que provasse", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, após questionado sobre a situação económica do país, no Palácio de Belém, onde fez uma declaração à imprensa sobre as conquistas de medalhas por atletas portugueses nos Jogos Olímpicos de Tóquio2020.

Segundo Marcelo Marcelo Rebelo de Sousa, está atualmente a "criar-se uma dinâmica" na economia portuguesa graças à "construção civil, à indústria exportadora, à agricultura, ao setor agroalimentar, a uma parte do comércio e dos serviços, e depois àquilo que está a reabrir rapidamente".

"E, portanto, eu não penso que haja o risco de haver recuos naquilo que interessa a todos: é que este trimestre -- esquecendo o mês de julho, sabemos que será sempre mais fraco -- será um trimestre bom, e o quarto trimestre, melhor. E, portanto, ao nível do segundo trimestre, [que] foi uma boa surpresa", salientou o Presidente da República.

Na semana passada, o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) divulgou que o Produto Interno Bruto (PIB) português registou um crescimento de 4,9% no segundo trimestre face ao primeiro, e de 15,5% face ao mesmo período do ano passado.

Segundo o INE, "esta evolução é influenciada por um efeito base, uma vez que as restrições sobre a atividade económica em consequência da pandemia se fizeram sentir de forma mais intensa nos primeiros dois meses do segundo trimestre de 2020, conduzindo então a uma contração sem precedente da atividade económica".

Para os números do segundo trimestre, "o contributo positivo da procura interna para a variação homóloga do PIB acentuou-se e o contributo da procura externa líquida foi menos negativo", algo que traduz "sobretudo o aumento mais significativo das Exportações de Bens" realça o INE.

"Refira-se ainda que no 2.º trimestre de 2021, em termos homólogos, se registou uma perda nos termos de troca, tendo o comportamento do deflator das importações sido influenciado, em larga medida, pelo crescimento pronunciado dos preços dos produtos energéticos", pode também ler-se na estimativa rápida a 30 dias divulgada pelo INE.

Os resultados detalhados das Contas Nacionais Trimestrais do segundo trimestre serão divulgados dia 31 de agosto.

Ver comentários