Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
2

Número de trabalhadores em 'lay-off' tradicional cai 64,2% em agosto face a julho

Prestações da 'lay-off' foram processadas para 148 entidades empregadoras em agosto, menos 52 do que no mês anterior.
Lusa 20 de Setembro de 2021 às 20:26
Lay-off
Lay-off FOTO: Getty Images
O número de trabalhadores em 'lay-off' tradicional, o regime previsto no Código do Trabalho, caiu 64,2% em agosto face a julho, para 4 828, revelam as estatísticas mensais da Segurança Social divulgadas hoje.

"Em agosto de 2021 foram atribuídas 4 828 prestações de 'lay-off' (concessão normal, de acordo com o previsto no Código de Trabalho), o que representa uma diminuição mensal de 64,2% (menos 8.654 beneficiários)", pode ler-se na síntese elaborada pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

As prestações que resultaram de suspensão temporária do contrato de trabalho caíram 43,1% em agosto face a julho (menos 1.122 beneficiários) e as que resultam de redução de horário diminuíram 69,2% (menos 7.532 beneficiários).

As prestações da 'lay-off' foram processadas para 148 entidades empregadoras em agosto, menos 52 do que no mês anterior, indica o documento.

Os dados da Segurança Social indicam ainda que em julho, o número de pessoas singulares com contribuições à Segurança Social foi de 351.847 trabalhadores independentes e 3.726.593 de trabalhadores dependentes.

Face ao mês anterior registou-se em agosto uma queda de 8,9% nas contribuições dos trabalhadores independentes e menos 14,6% em termos homólogos, para 37,7 milhões de euros.

Quanto aos trabalhadores dependentes verificou-se um acréscimo mensal de 14.660 remunerações declaradas (0,4%) e um aumento homólogo de 120.022 remunerações declaradas (3,3%).

O valor médio mensal das remunerações declaradas pelas entidades empregadoras relativas aos trabalhadores dependentes, foi de 1.357,21 euros em julho, um aumento homólogo de 3,3% e uma redução de 9,7% "devido ao pagamento do subsídio de férias, no mês anterior", refere o GEP.

Ver comentários