Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
5

Indultado das FP-25 chefia assaltos

É ex-operacional das extintas FP-25 de Abril, tendo passado 13 anos preso, mas foi libertado em Janeiro de 1996 por ordem de Mário Soares, através de indulto presidencial. Só que, para além de fazer parte do 'grupo terrorista entretanto já desmantelado', Óscar Gonçalves estava 'indiciado por vários roubos à mão armada – desde a juventude que era dado a crimes violentos'.
5 de Janeiro de 2010 às 00:30
Grupo criminoso foi desmantelado, a 3 de Julho, pela Unidade
Grupo criminoso foi desmantelado, a 3 de Julho, pela Unidade FOTO: Rui Minderico/A-gosto.com

E voltou ao activo, diz a acusação da Unidade Especial de Combate ao Crime Violento do DIAP de Lisboa, a que o CM teve acesso. Com a sua experiência, instruiu o gang do Multibanco, sediado em Setúbal, 'sobre o modus operandi, manobras de contravigilância, fugas à polícia e dissimulação' dos mais de dois milhões de euros roubados das caixas ATM.

Aos 40 anos, oficialmente mecânico, Óscar Gonçalves é um dos doze acusados por crimes de associação criminosa, roubo agravado e furto qualificado, na sequência de uma megainvestigação da Unidade de Intervenção da GNR, coordenada pela unidade do DIAP liderada pela procuradora Cândida Vilar. Para roubar um total de 2,1 milhões de caixas ATM, entre os anos de 2007 e 2009, o gang atacou 174 vezes, tendo conseguido concretizar cem assaltos. E, para atacarem as ATM, circulavam sempre em carros de alta cilindrada roubados com violência – 'há mais de 50 casos de carjacking', adianta fonte da GNR. O grupo era chefiado por ‘Quinito’, do bairro da Bela Vista. O segredo do sucesso estava na disciplina e rigor: se alguém das 'tropas' fosse preso, só tinha de se aguentar 'em silêncio'. Mesmo que a polícia apertasse, ninguém se denunciava. Até porque tinham o 'fundo monetário comum' para que nada lhes faltasse ou às famílias. No terreno, havia rigor, imposto aos operacionais pelo ex-FP, a partir da sua quinta no Poceirão: caras tapadas, luvas, coletes antibala, rebarbadoras para cortar terminais ATM, extintor para apagar os vestígios nos carros e telemóveis sempre desligados.

INVADEM STAND E LEVAM MERCEDES

O grupo só utilizava carros de alta cilindrada nos assaltos, BMW, Audi ou Mercedes – atacando normalmente em dois, para um dar apoio à fuga na auto-estrada a mais de 200 km/h em caso de chegar a polícia. O outro carregava as caixas ATM e, se preciso, era abandonado. A maioria dos carros era roubada directamente aos proprietários – fizeram mais de 50 carjackings com ameaça de pistolas ou caçadeiras –, mas a 9 de Setembro de 2008 ‘Calhotas’, Fábio e outros três elementos decidiram ir directamente à fonte. Invadiram o parque do stand Mercauto, em Sete Rios, Lisboa, e roubaram dois Mercedes CLS 320 CDI, no valor total de 210 mil euros. Os carros, até serem encontrados, serviram para assaltos.

SAIBA MAIS

RAÍZES ANTIDITADURA

As FP-25, ou Forças Populares 25 de Abril, existiram historicamente entre 1980 e 1987, mas alguns dos seus membros tinham já longa experiência activista que incluía roubos de bancos, nas Brigadas Revolucionárias criadas em 1970 para combater a ditadura.

18 pessoas mortas é o balanço da acção das FP-25 em atentados a tiro e à bomba ou confrontos com polícias durante assaltos a bancos e tentativas de fuga.

3 anos na clandestinidade, com diversos disfarces profissionais, passaram o inspector José Barra da Costa e três colegas da Polícia Judiciária na infiltração e caça às FP-25.

INDULTO E AMNISTIA

O juiz Martinho de Almeida Cruz foi o autor do processo de instrução que levou mais de 87 arguidos a julgamento, mas o incómodo político fez a Assembleia da República aprovar, em 1996, um indulto seguido de amnistia para os FP-25.

SENTENÇA NAS MÃOS DO POVO DE SETÚBAL

O Ministério Público, apurou o CM, pretende que o julgamento dos doze elementos ligados ao gang do Multibanco se realize num tribunal de júri, em Setúbal, para que a sentença fique a cargo de eleitores da cidade onde o grupo estava sediado e a partir de onde atacou à mão armada durante mais de dois anos. A base, até à noite em que Quinito foi preso, em Dezembro de 2008, era o bairro da Bela Vista – quando avançou para a operação ‘Xeque-Mate’, no último dia 3 de Julho, a GNR encontrou nas várias casas armas, munições, droga e até estudos dos sistemas de segurança e horários de trabalho dos vigilantes de serviço numas bombas de gasolina em Alcochete que o grupo atacara em 2007 e 2008. O objectivo era saber sempre como chegar mais facilmente às caixas multibanco no interior. Depois de ‘Quinito’ ser preso, as reuniões do grupo passaram para casa de Jonny, em prisão domiciliária, ou de Óscar Gonçalves, o ex-operacional das FP-25 que lhes dava cobertura na sua quinta do Poceirão. Era ali que guardavam carros roubados antes e depois dos assaltos às caixas ATM e era ali que recebiam as instruções sobre a melhor forma de atacar. Cuidadoso, Óscar não tinha telemóvel e só contactava com o grupo através da mulher, também acusada, que se referia a ele como ‘Zé’.

POLÍCIA GOZADA COM MÁSCARAS DE CARNAVAL

O gang do Multibanco, segundo a acusação da unidade especial do DIAP de Lisboa, assumiu sempre uma atitude de total 'desrespeito' perante a polícia. E exemplo disso é o Carnaval que festejaram no bar ‘KantaPalmela’, onde se mascararam todos de preto e inscreveram nas camisolas a frase 'Equipa anticarjacking' – em alusão às brigadas especiais criadas pela PSP e GNR, precisamente na sequência dos mais de 50 roubos violentos de automóveis feitos pelo grupo de Setúbal. Mas o sentimento de impunidade chegou à cadeia, de onde ‘Quinito’ continuou a comandar os destinos do seu gang com recurso a um telemóvel escondido: disse a um cúmplice que ali quem mandava eram os presos, não os guardas.

ALGUNS CASOS

ROUBADO A SOCO

O dono de um BMW 320 D de 30 mil euros estacionou à porta de casa, em Corroios, a 3 de Fevereiro de 2009, quando surgiram três elementos do gang, encapuzados. Deram-lhe um soco, disseram 'sai daqui palhaço' e fugiram com o carro.

AMEAÇA DE CAÇADEIRA

Na madrugada de 5 de Fevereiro de 2009, em dois BMW roubados por carjacking, o gang invadiu o Centro Comercial Riviera, em Carcavelos, e apontou uma caçadeira de canos serrados à cabeça do vigilante. Fugiram com mais de 40 mil euros da caixa ATM

DE AZEITÃO PARA A MAIA

Quatro elementos do gang, em 11 de Março de 2009, roubaram o BMW a um casal com ameaça de pistolas, em Brejos de Azeitão. Eram 00h10 e, nesse mesmo carro, três horas depois já estavam em Águas Santas, na Maia, a roubar mais de 30 mil euros da caixa ATM de umas bombas de gasolina na A4.

ATAQUE EM SALVATERRA

O dono de uma Volkswagen Passat acabara de estacionar em Benfica, Lisboa, quando foi atacado pelo gang, a 26 de Março de 2009. A carrinha foi usada para roubar 30 mil € de um ATM em Salvaterra de Magos nessa noite

CABECILHAS APANHADOS

Na noite de 12 de Dezembro de 2008, ‘Quinito’, chefe do gang, teve azar. Uma vítima de carjacking em Paio Pires, Seixal, puxou-lhe o capuz durante o roubo violento e desmascarou--o – acabou identificado e foi preso. Dois meses depois foi ‘Titi’, também importante na estrutura do gang, a ser preso.

NOTAS

APREENSÃO: ARMAS E ROUPA

A operação da Unidade de Intervenção da GNR, em Julho, levou também à apreensão de armas, munições, outros utensílios e vestuário que terão sido utilizados em vários assaltos do gang

ROUBO: MILHÕES EM OFFSHORE

O rasto dos milhões roubados nunca foi fácil de encontrar, mas Marco ‘Daires’, do grupo, constituiu uma sociedade na Zona Franca de Tanger: Paulena Societé de Vetements de Marroc

CRIME: LUXO ESCAPA AO FISCO 

Os serviços das Finanças desconhecem muitos dos elementos do gang, sem quaisquer rendimentos declarados, mas com vários automóveis de luxo, roupas de marca artigos em ouro

 

Ver comentários