Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
5

Skins alarmam Secreta

O Serviço de Informações de Segurança (SIS) considera que os movimentos ‘skinhead’ e neonazis portugueses representam um risco para a segurança interna do País e teme conflitos multiculturais entre militantes de extrema-direita e minorias étnicas de bairros problemáticos das grandes cidades, como Lisboa e Porto.
26 de Abril de 2006 às 13:00
No Relatório de Segurança Interna do ano passado, o SIS concluiu que há cada vez mais jovens a aderir ao movimento nacionalista e que a internet e as claques de futebol são os principais meios de angariação de militantes.
No ano em que os grupos nacionalistas apostaram em manifestações de rua, para se darem a conhecer e angariarem ‘adeptos’, o SIS concluiu que, apesar de estes grupos não constituírem uma ameaça à democracia, são já “um factor de risco efectivo para a segurança interna, no tocante ao incitamento e promoção da violência política e racial”.
A própria temática das “campanhas de propaganda e das manifestações públicas” tem o único objectivo de “adquirir credibilidade e de alargar a base social de apoio”. O ano passado, as grandes manifestações promovidas pela Frente Nacional – uma organização com militantes ‘skinheads’ que integram a Hammerskin – subordinaram-se a temas contra a criminalidade e a imigração e a entrada da Turquia na União Europeia.
No Relatório de Segurança Interna, o SIS manifesta especial atenção às claques de futebol, por considerar que os grupos de cabeças-rapadas continuam a investir nos meios ‘hooligan’, “com efeitos directos no agravamento da violência planeada e enquadrada por objectivos políticos no futebol nacional”.
As formas de recrutamento não se limitam aos estádios de futebol. Cada vez mais jovens aderem à extrema-direita através da internet – onde proliferam as salas de conversação, as páginas temáticas e os blogues de inspiração nacionalista. Também é através da internet que os grupos extremistas anunciam almoços, encontros, concertos de música, debates e os seus ‘feitos’ na rua.
Os contactos com as organizações de neonazis e ‘skinheads’ a nível internacional estão a aumentar. Há cada vez mais iniciativas que promovem encontros entre ‘skins’ portugueses e estrangeiros. Portugal tem sido palco de concertos de música e encontros – a que vêm neonazis de vários países – que merecem especial atenção por parte das Forças de Segurança. Muitos deles integram a Ham-merskin Nation – uma organização fundada nos Estados Unidos, conhecida por promover, de forma organizada, ideais de violência e a supremacia da raça branca.
Em Portugal, a Portuguese Ham-merskin (PHS) é uma célula autónoma e clandestina, de “características paramilitares, que assegura a luta armada pela supremacia racial”, diz o SIS. Tem ligações à Frente Nacional, um movimento mais aberto, que angaria simpatizantes através de várias iniciativas. Há, inclusivamente, militantes do Partido Nacional Renovador (que trabalha com a Frente Nacional), que integram a PHS.
Contrariamente à proliferação de manifestações nacionalistas, os Movimentos Alterglobalização e Anarco-Libertários – que defendem ideais opostos – não representaram, no ano passado, preocupação acrescida para o SIS. Neste âmbito, “não foram registadas actividades que confirmem a existência de grupos”.
MILITANTES AUMENTARAM 400%
O dirigente da Frente Nacional, Mário Machado, disse ontem ao CM que desde Novembro de 2004 os militantes nacionalistas aumentaram cerca de 400 por cento, o que se deve a uma nova forma de actuação. “Antes os nacionalistas não gostavam de dar a cara. Desde a formação da Frente Nacional e da criação do ‘site’ Fórum Nacional, tornámo-nos mais abertos. É importante que as pessoas saibam que há um partido nacionalista e que é uma opção válida para um governo melhor”, disse. Segundo o dirigente, a maior parte dos novos militantes são jovens “de todos os estilos, não são só cabeças-rapadas”. O barómetro do ‘site’ Fórum Nacional indica que 49 por cento dos militantes têm menos de 21 anos. “É sinónimo da insegurança que vivem nas escolas. Estes jovens são vítimas das minorias étnicas que se estão a tornar maiorias”, acusou. No Partido Nacional Renovador há pelo menos 15 mil eleitores. O objectivo é chegar aos 50 mil e eleger um deputado.
INICIATIVAS
ALEMANHA
Os militantes da extrema-direita portuguesa preparam-se para, dia 11 de Junho, assistirem ao Mundial de Futebol (Angola-Portugal), na Alemanha, e ao Festival dos Povos, uma festa de ultranacionalistas que se realiza naquele país. O Ministério da Administração Interna vai enviar agentes da PSP e da GNR, fardados e à civil, e autorizados a levar arma de serviço.
ARRASTÃO
No dia 18 de Junho manifestantes de extrema-direita, entre eles ‘skinheads’, protestaram na Baixa de Lisboa contra a criminalidade. A manifestação surgiu na sequência de uma alegado arrastão ocorrido na Praia de Carcavelos. O Governo Civil autorizou a iniciativa mas Mário Machado, dirigente da Frente Nacional, diz ter sido processado.
Ver comentários