Barra Cofina

Correio da Manhã

Famosos
2

"Ele vai para a rádio vestido como o Tarzan": Humorista Luís Franco-Bastos responde a radialista que criticou portugueses

Philippe Caveriviere criticou o estilo utilizado pelos portugueses, considerando que se vestem como se estivessem "em 2008".
Correio da Manhã 14 de Abril de 2021 às 18:23
Vidas
Luís Franco-Bastos
Luís Franco-Bastos FOTO: Direitos Reservados

O humorista português, Luís Franco-Bastos, fez-se ouvir perante o comentário critico do radialista francês Philippe Caveriviere, que gozou com Portugal e com os portugueses num programa da rádio francesa RTL.

Após uma temporada de férias em Portugal, Philippe Caveriviere criticou o estilo utilizado pelos portugueses, considerando que se vestem como se estivessem "em 2008" e que utilizam "gel no cabelo com efeito de 'cimento', porque são portugueses". O radialista acabou ainda por comparar esse tipo de penteado ao de Jonathan Daval, um criminoso francês.

"Fiquei agradavelmente desiludido. (...) Então o que há a saber é que há uma pequena diferença horária com Portugal, é menos uma hora no relógio e na roupa da população é menos 12 anos", disse, avançando ainda que "todos os jovens portugueses usam óculos dourados, tatuagens ‘Only God Can Judge Me’ e t-shirts demasiadamente apertadas. É estranho que um país inteiro queira parecer-se com os concorrentes de reality show, é como se houvesse uma criação de gado".

Após o caso se tornar mediático, Luís Franco-Bastos quis dar aos francesas "a oportunidade de se rirem de si próprios".

"Fui investigar o Philippe Caveriviere, vi algumas fotos e tenho a dizer que não recebo dicas de pessoas que, tal como ele, usam colares de madeira. Sim, vi várias fotos e é um homem que vai para a rádio com um colar de madeira ao pescoço. Quer dizer, nós estamos em 2008, mas ele vai para a rádio vestido como o Tarzan. Portanto, quem é que está pior?", questionou Franco-Bastos, com o humor que já habituou os portugueses.

Durante o sua rubrica na rádio portuguesa RFM, Luís estava vestido com a camisola que a seleção nacional utilizava na final do Europeu de 2016, altura em que Portugal enfrentou e derrotou França, tornando-se campeão.

"Como bons 10 milhões de concorrentes de reality-shows que somos, não estavam à espera que reagíssemos com dignidade", rematou o humorista, antes de recordar o momento em que Éder marcou pela seleção, em 2016.

Ver comentários