Barra Cofina

Correio da Manhã

Insólitos
8

Casal viveu com o cadáver do filho durante um mês

Caleb tinha apenas 7 anos quando morreu por negligência.
6 de Janeiro de 2018 às 12:04
Casal Hopkins
Polícia espanhola
Polícia Espanhola
Polícia
Casal Hopkins
Polícia espanhola
Polícia Espanhola
Polícia
Casal Hopkins
Polícia espanhola
Polícia Espanhola
Polícia

Bruce e Schrell Hopkins, casal norte-americano residente em Espanha, foram julgados por ocultação do cadáver do filho, Caleb, de 7 anos, durante um mês. A criança morreu em casa devido a um ataque asmático que não foi tratado devidamente por culpa dos próprios pais. 

A descoberta surgiu depois de uma queixa da senhoria da casa à polícia catalã por atrasos nos pagamentos mensais. Quando os agentes espanhóis - Mossos D’Esquadra - entraram na habitação depararam-se não só com quatro membros da família, o casal e mais dois filhos, como também com um "cheiro nauseabundo" por falta de higiene.

Quando se aperceberam que parte do odor surgia do andar de cima, os agentes decidiram investigar o caso mais a fundo de forma a descobrirem a origem do mesmo. No primeiro piso, encontraram uma pessoa enrolada num lençol. "Não está morto. Está só a dormir", exclamou o pai do menino. Não satisfeitos com a explicação, retiraram o lençol e depararam-se com o corpo em estado de decomposição avançado.

Ao que tudo indica, o cristianismo praticado pelo casal levou-os a optarem por tratamentos de medicina tradicional e homeopática assim como orações para curar a doença da criança. Quando se aperceberam que era tarde demais, decidiram viver com o cadáver do filho em casa para não sofrerem represálias pelo sucedido.

O casal norte-americano perdeu a custódia dos outros dois filhos, de 15 e 13 anos, e mudaram-se para Valência antes de voltarem para os Estados Unidos. Em novembro, os pais voltaram a Espanha onde descobriram que o governo espanhol decidiu optar por uma multa de 990 euros por "homicídio por negligência menos grave com agravamento parental". 

Espanha Estados Unidos questões sociais Mossos D’Esquadra crime cadáver ocultação família