Barra Cofina

Correio da Manhã

Domingo
6

O grande combate

Em 1975, Muhammad Ali e George Foreman defrontaram-se no ringue. Mas era muito mais do que boxe
Francisco José Viegas 30 de Junho de 2019 às 06:00
Muhammad Ali
Muhammad Ali FOTO: AFP

As quase 1500 páginas de ‘O Fantasma de Harlot’ (1991) podem ser uma espécie de resumo da grande arte narrativa de Norman Mailer – é uma história romanesca tanto quanto cruel, da CIA. Só um grande romancista podia fazê-lo: colocar-se no lugar do outro, passar totalmente para o outro lado, escolher os pontos de contacto entre inimigos e amantes (porque é disso que se trata, amor e morte, sexo e política, abnegação e aventura).

Mailer tem uma obsessão: a história da América. É assim desde ‘Os Nus e os Mortos’ (1948) até ‘Os Duros Não Dançam’ (1984) ou ‘O Fantasma de Hitler’ (2007, o seu derradeiro livro, publicado no ano da sua morte) – mas também nos seus livros -reportagens ou biografias (como a de Marilyn, de Picasso ou a de Lee Harvey Oswald, o assassino de Kennedy, que ele trata com rigor conspirativo em ‘Oswald’s Tale. An American Mistery’, 1995).

Uma das suas paixões declaradas é o boxe. Há dois textos magníficos de Mailer, um na ‘Esquire’, outro no ‘Village Voice’ (jornal que ajudou a fundar em 1955) – mas nada chega ao ritmo alucinante, à transfiguração e à atenção ao pormenor de ‘O Combate’ (1975), o relato do confronto entre Muhammad Ali e George Foreman que ditaria o campeão mundial de pesos-pesados desse ano; tudo teve lugar em Kinshasa, no antigo Zaire – mas Mailer sabia que não era apenas um combate pelo título; havia dois exércitos atrás de cada um dos pugilistas, e não eram compostos de homens, mas de estilos diferentes, palavras e temperamentos diferentes. Mailer também sabia que as questões raciais e a violência americanas estavam no ringue nessa noite, e que o vencedor seria não apenas o mais inteligente ou astucioso, mas também o mais capaz de simbolizar a negritude americana e os seus traumas e aspirações.

‘O Combate’ não é um romance; é uma reportagem; é esse ringue. E Muhammad Ali é o desafiador tagarela, o artista que transforma a tela num céu de relâmpagos; Foreman, o calculista que confia na sua força tranquila. Mailer tinha a consciência de que aquele combate seria histórico e o vencedor não vestiria apenas o cinto de campeão – mas também o de vingador, mestre e exemplo. Que livro, que livro.

LIVRO
Os chips que vêm da China

Kai-Fu Lee não é apenas um especialista em inteligência artificial - é o homem que criou a Sinovation, gigante chinesa especialista nas técnicas de reconhecimento facial, depois de ter passado por Sillicon Valley. O livro é todo um programa e convém estar a par do que se faz naquele lado do Mundo. Estão muito à frente.

LIVRO
O que é um bar?

"Um lugar onde se pode conversar, rir, namorar, enquanto os outros suam, bebem água e usam roupas de licra." Afonso Cruz leva-nos de passeio pelas alegrias da cerveja e mostra como a descoberta das bebidas fermentadas foi o momento em que passámos da barbárie à civilização. Vale por cada evocação da alegria de beber.

DISCO
Bach revisitado

A música de Bach é uma das provas da existência do Divino – e a sua interpretação pelos Amici Voices, grupo vocal britânico, é uma das suas melhores representações. Neste disco, as Cantatas 106 e 182 ressoam ora como uma tempestade ou um recolhimento prolongado. A beleza mais pura está de visita com esta música.




Ver comentários