Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais

Luís Filipe Menezes defende que há que "dar margem de manobra" para reeleição de Rio

Ex-presidente do PSD saudou os resultados autárquicos do partido nestas eleições autárquicas.
Lusa 27 de Setembro de 2021 às 13:25
Luís Filipe Menezes
Luís Filipe Menezes
O ex-presidente do PSD Luís Filipe Menezes saudou esta segunda-feira os resultados autárquicos do partido e defendeu que, mesmo os que como ele estão insatisfeitos com Rui Rio, deverão "dar margem de manobra para uma reeleição" do líder.

"Face a estes resultados existe clima para falar de mudanças dentro do maior partido da oposição? Na minha opinião, apesar das sondagens relativamente a legislativas continuarem sofríveis, apesar de continuar a achar que Rio não é um líder mobilizador e entusiasmante, na política, como no futebol, as vitórias acalmam as claques", escreveu o antigo autarca de Gaia, na sua conta na rede social Facebook.

Por isso, considerou, mesmo os que pensam como ele em relação a Rio terão de "democraticamente reconhecer que o resultado foi suficientemente bom para dar margem de manobra para uma reeleição"

"E eu goste ou não goste do líder, e não aprecio de todo este, desejo em primeiro lugar o sucesso do PSD", afirmou.

Menezes, que presidiu ao PSD por menos de um ano entre 2007 e 2008, retira ainda "outra lição" das eleições autárquicas de domingo.

"Ficou claro que a alternativa ao poder nacional socialista reside no PSD e na sua aliança de histórica com o CDS. Tudo o mais é, por agora, paisagem e nuvem transitória. Ruído", defendeu.

O antigo autarca reconhece que as eleições tiveram um resultado "inesperado", porque para o PSD "cantar vitória teria que encurtar substancialmente a diferença que o separava do PS e tinha que somar meia dúzia de câmaras relevantes ao seu pecúlio".

"Conseguiu-o. Aproximou-se muito do PS em número de votantes, no número global de mandatos e no número de presidências de Câmara e juntas de freguesia", considerou, destacando as vitórias em Funchal, Ponta Delgada, Coimbra, Portalegre e outras vitórias no Alentejo.

Já a vitória em Lisboa foi classificada por Menezes como "a cereja no topo do bolo".

"Façam-se as contas que se fizerem, foi uma vitória histórica e Carlos Moedas é um novo importante protagonista que entra nas contas do poder interno", considerou.

O antigo presidente social-democrata lamentou, por outro lado, o "medíocre resultado" na Área Metropolitana do Porto, embora ressalvando o "resultado honroso" de Vladimiro Feliz no concelho do Porto.

"Finalmente Gaia. O desastre anunciado aconteceu na terceira cidade do país. O pior resultado de sempre. Espero que os dirigentes responsáveis tenham o bom senso de sair definitivamente de cena e dar lugar aos novos", afirmou.

Quando ainda falta atribuir uma câmara, o PSD contabiliza a vitória em 72 autarquias sozinho, a que se somam outras 41 em coligações lideradas pelos sociais-democratas, num total de 113 concelhos.

Há quatro anos, o PSD teve o seu pior resultado autárquico de sempre, que levou à demissão do anterior líder, Pedro Passos Coelho: os sociais-democratas conquistaram 98 presidências (79 sozinhos e 19 em coligação), perdendo um total de oito câmaras em relação a 2013, quando lideravam 106 municípios.

Ver comentários