Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais

Novas sanções da UE contra escalada russa no conflito

Comissão Europeia propõe oitavo pacote de medidas punitivas contra Moscovo.
Ricardo Ramos 29 de Setembro de 2022 às 08:19
Sanções visam punir referendos ilegais
Sanções visam punir referendos ilegais FOTO: ALEXEY PAVLISHAK/reuters
A Comissão Europeia propôs esta quarta-feira um novo pacote de sanções punitivas contra a Rússia por causa da recente escalada do conflito na Ucrânia com os preparativos para a anexação dos territórios ocupados, a mobilização parcial de reservistas e a ameaça de utilização de armas nucleares.

“Na última semana, a Rússia escalou a invasão da Ucrânia para um novo nível, e estamos determinados a fazer com que o Kremlin pague um preço elevado por essa escalada”, afirmou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ao propor o novo pacote de sanções, que inclui a imposição de um tecto ao preço do petróleo russo, novas restrições à importação de produtos russos no valor de sete mil milhões de euros e a proibição de exportação de tecnologias-chave para o esforço de guerra russo, além da atualização da lista de indivíduos e entidades alvo de sanções para incluir pessoas ligadas à organização dos “referendos fraudulentos” nos territórios ocupados, ao setor de defesa e à difusão de propaganda russa.

O novo pacote de sanções - o oitavo desde o início da guerra - foi anunciado pela UE horas depois de as autoridades pró-russas dos territórios ocupados de Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporíjia terem anunciado a vitória do ‘sim’ nos referendos sobre a junção daquelas regiões à Rússia e terem pedido formalmente a sua integração no território russo. Em Moscovo, um grande painel foi instalado na na Praça Vermelha com a frase: “Donetsk, Luhansk, Zaporíjia, Kherson - Rússia!”, e o vice-presidente do Conselho de Segurança russo, Dmitry Medvedev, saudou publicamente os futuros territórios russos: “Bem-vindos a casa”, escreveu no Twitter. A anexação poderá ser proposta por Putin já amanhã e consumada na próxima semana, diz a imprensa russa.

pormenores
Aliados dão nega à Rússia
A Sérvia e o Cazaquistão, países aliados da Rússia, garantiram ontem que não vão reconhecer os resultados dos referendos nos territórios ucranianos ocupados.

Ocupar todo o Donetsk
O Kremlin garantiu que a “operação militar especial” irá continuar até, pelo menos, à tomada de toda a região de Donetsk. “É o mínimo”, disse Dmitry Peskov.

Meloni garante apoio a Kiev
A futura primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, cuja coligação integra aliados de Putin, garantiu ontem a Volodymyr Zelensky que a Itália irá manter o seu “apoio leal à causa da liberdade do povo ucraniano”.

Kremlin nega sabotagem de gasodutos
O porta-voz do Kremlin considerou esta quarta-feira “estúpidas e absurdas” as acusações de que a Rússia está por detrás da sabotagem dos gasodutos Nord Stream I e II, que causou a libertação de milhares de toneladas de gás no Báltico. “Porque teríamos interesse nisso? Já perdemos muitas vias para abastecer a Europa. O gás está muito caro”, disse Dmitry Peskov, que acusou as empresas dos EUA que vendem gás à Europa de serem as “principais interessadas” na destruição dos gasodutos.

Portugal e EUA aconselham cidadãos a sair da Rússia para não serem mobilizados
O Ministério dos Negócios Estrangeiros aconselhou esta quarta-feira todos os cidadãos portugueses que se encontrem na Rússia por motivos não essenciais a deixarem o país e alertou os cidadãos com dupla nacionalidade portuguesa e russa de que não poderão contar com proteção consular da embaixada portuguesa se forem mobilizados para combater na Ucrânia. O mesmo aviso foi emitido pelos Estados Unidos e por vários países europeus .
Ver comentários