Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais

Rússia prolonga fecho de aeroportos próximos da fronteira ucraniana

Espaço aéreo no centro e sul do país foi temporariamente encerrado à aviação comercial a 24 de fevereiro.
Lusa 29 de Maio de 2022 às 09:39
Guerra na Ucrânia
Guerra na Ucrânia FOTO: Reuters
A Rússia vai manter 11 aeroportos das suas regiões próximas da Ucrânia encerrados até 6 de junho, anunciou este domingo a Agência Federal de Transportes Aéreos da Federação Russa (Rosaviatsia).

O espaço aéreo no centro e sul da Rússia foi temporariamente encerrado à aviação comercial em 24 de fevereiro, quando as forças russas invadiram a Ucrânia.

A medida foi decretada por um período inicial de uma semana, mas tem sido sucessivamente prorrogada.

"O regime de restrições temporárias de voos em 11 aeroportos russos foi prorrogado até 06 de junho de 2022", disse a Rosaviatsia, num comunicado citado pela agência oficial TASS.

A medida, que estava atualmente em vigor até 31 de maio, afeta os aeroportos das cidades de Anapa, Belgorod, Bryansk, Voronezh, Gelendzhik, Krasnodar, Kursk, Lipetsk, Rostov-on-Don, Simferopol e Elista.

O regulador recomendou que as companhias aéreas russas organizem o transporte de passageiros em rotas alternativas utilizando os aeroportos de Sochi, Volgograd, Mineralnye Vody, Stavropol e Moscovo.

De acordo com a Rosaviatsia, todos os outros terminais aeroportuários do país estão a operar normalmente.

A guerra na Ucrânia, que a Rússia designa como uma "operação militar especial", entrou hoje no 95.º dia.

Desconhece-se o número de vítimas de mais de três meses de combates, mas diversas fontes, incluindo a ONU, admitem ser elevado.

A ONU confirmou a morte de mais de 4 000 civis, mas tem alertado que o número real será consideravelmente superior.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional.

A União Europeia e países como os Estados Unidos, o Reino Unido ou o Japão têm decretado sucessivos pacotes de sanções contra interesses russos e fornecido armas à Ucrânia.

Ucrânia Rússia Rosaviatsia questões sociais economia negócios e finanças
Ver comentários
}