Barra Cofina

Correio da Manhã

Legislativas 2022
1

PSD acusa PS de degradar SNS e promete acesso "a tempo e horas" com recurso ao privado

Rui Rio propôs "redesenhar o sistema" com recurso ao privado e instituições sociais.
Lusa 25 de Janeiro de 2022 às 21:12
Rio em campanha
Rio em campanha FOTO: Lusa
O PSD acusou esta terça-feira o PS de ter degradado o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e propôs "redesenhar o sistema", com recurso ao privado e instituições sociais, prometendo acesso aos serviços "a tempo e horas" para todos.

Durante uma sessão temática sobre saúde, em Faro, o presidente do PSD, Rui Rio, considerou que em Portugal "a sociedade começou a degradar-se em muitos patamares, está mais enquistada, tudo funciona pior", e que "se há setor da vida nacional que o PS degradou foi justamente o SNS".

Em seguida, as propostas do PSD para este setor foram apresentadas pelo deputado Ricardo Baptista Leite, cabeça de lista às legislativas de domingo pelo círculo de Lisboa, que resumiu desta forma o objetivo deste partido: "Redesenhar o sistema de saúde, com o SNS como coração desse sistema, e olhar para o sistema como um todo".

Baptista Leite sustentou que atualmente o SNS "não está a funcionar" e deixa sem resposta quem não tem seguros ou ADSE para recorrer ao privado, acusando o PS de ter criado "um serviço de saúde para ricos e um serviço de saúde para pobres".

"As pessoas que estão doentes ligam para o médico de família que não existe, ligam para o centro de saúde, não atende, ligam para o SNS24 que não funciona. Alguém que está doente, o que é que faz? Vai a um serviço de urgência que é a única porta aberta. Portanto, é um sinal daquilo que não está a funcionar", disse.

O PSD quer uma "mudança de modelo", com aposta nas unidades locais de saúde (ULS), em que, "se for necessário investir numa determinada área onde não existe a resposta pública", os respetivos gestores "tenham a autonomia e a capacidade de intervenção para fazer as parcerias com as instituições particulares de solidariedade social (IPSS), com o setor privado, sem tabus, garantindo uma resposta a tempo e horas com qualidade para todos", adiantou.

 "Não é algo novo, já existe na lei, já existem até sete ULS, mas nós queremos garantir a sua expansão pelo território nacional", referiu.

Batista Leite defendeu que Portugal tem de assumir as suas limitações económicas e "utilizar com muita inteligência e com enorme capacidade de gestão todos os recursos que existem" no território nacional.

"Não há tabus ideológicos connosco. Nós temos uma prioridade, que é garantir que os portugueses tenham acesso de qualidade à saúde a tempo e horas e faremos isso com todos os recursos que existem no território nacional", reforçou.

O deputado destacou a proposta que consta do programa do PSD de atribuir aos portugueses sem médico de família "um médico assistente", com recurso ao setor privado e ao setor social, até 2025/2026, quando estimou que haverá "o número de médicos de família suficientes para garantir a cobertura a toda a população".

Batista Leite prometeu também que o PSD irá "garantir condições para os profissionais, para os conseguir reter, para os conseguir atrair", embora sem explicar como, apontando como inaceitável que haja "uma enfermeira a trabalhar há 20 anos no SNS a ganhar pouco mais de 900 euros líquidos".

O social-democrata apontou igualmente como inaceitável que haja pessoas que não conseguem pagar todos os medicamentos de que necessitam. "É algo que é digno do terceiro mundo e que nós não podemos aceitar", declarou, sem avançar propostas concretas para pôr fim a essas situações.

Ver comentários