Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Angola adquiriu 3,5 milhões de doses da vacina Sinopharm contra a Covid-19

Vacinas são para dar continuidade à campanha de vacinação que quer inocular 60% da população até ao fim do ano.
Lusa 29 de Novembro de 2021 às 16:23
Vacinas Covid
Vacinas Covid FOTO: Getty Images
Angola recebeu esta segunda-feira 3,5 milhões de doses da vacina Sinopharm, provenientes da China, uma aquisição do Governo angolano, no âmbito do combate e prevenção da covid-19, anunciou o executivo.

 Em declarações à imprensa, o secretário de Estado para a Área Hospitalar, Leonardo Inocêncio, disse que com este lote Angola totaliza já 8,5 milhões de doses da vacina Sinopharm proveniente da China.

Leonardo Inocêncio disse que estas vacinas são para dar continuidade à campanha de vacinação em curso no país, que tem como pretensão uma cobertura de 60% da população alvo até ao final deste ano.

"Estamos no bom ritmo, mas o que queríamos era apelar à população à adesão, porque já estamos no nível de 42% desta meta que nos propusemos", referiu.

O país africano lusófono registou até domingo um total de 65.144 casos positivos de covid-19, 1.733 óbitos e 63.197 recuperados, estando ativos 214 casos.

A covid-19 provocou pelo menos 5.193.392 mortes em todo o mundo, entre mais de 260,44 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, foi recentemente detetada na África do Sul e, segundo a Organização Mundial da Saúde, o "elevado número de mutações" pode implicar uma maior infecciosidade.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Leonardo Inocêncio Covid-19 China Sinopharm Governo saúde questões sociais questões sociais política
Ver comentários