Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Forças armadas moçambicanas repelem ataques de insurgentes com meios aéreos

Insurgentes armados atacaram a aldeia de Monjane na quinta-feira, relataram fontes locais que fugiram para o mato e para uma praia a poucos quilómetros, na zona de Maganja, onde se encontram refugiados.
Lusa 26 de Junho de 2021 às 17:05
Agentes da polícia
Polícia de Moçambique
Polícia moçambicana
Polícia de Moçambique
Agentes da polícia
Polícia de Moçambique
Polícia moçambicana
Polícia de Moçambique
Agentes da polícia
Polícia de Moçambique
Polícia moçambicana
Polícia de Moçambique
Meios aéreos das Forças de Defesa e Segurança (FDS) moçambicanas estão a atacar desde sexta-feira a zona sul do distrito de Palma, em resposta a incursões de rebeldes, segundo a população e fontes ligadas às operações.

Insurgentes armados atacaram a aldeia de Monjane na quinta-feira, relataram fontes locais que fugiram para o mato e para uma praia a poucos quilómetros, na zona de Maganja, onde se encontram refugiados.

Estes deslocados dão conta de uma resposta com ataques aéreos das forças moçambicanas realizados na sexta-feira e durante o dia de hoje.

No meio do conflito, uma fonte deste grupo deu conta do rapto de dois pescadores por alegados insurgentes e de uma civil ferida por estilhaços durante a ação dos meios aéreos - tendo sido assistida por militares no terreno.

Fonte ligada às operações confirmou à Lusa a incursão rebelde junto a Monjane, acrescentando que os insurgentes tentaram realizar um ataque de grande envergadura nos últimos dias, mas que foi repelido pelas forças moçambicanas.

Segundo referiu, há informação mais rigorosa a ser recolhida sobre o que se passa no terreno e há novos soldados das forças moçambicanos com treino aperfeiçoado a caminho de Cabo Delgado para reforçar as operações.

Do outro lado, na linha da frente dos insurgentes, têm surgido mulheres armadas, acrescentou.

Segundo a mesma fonte, não há informação de deslocados feridos e há preocupação em respeitar os direitos humanos, ressalvando, no entanto, que aquela se trata de uma zona de conflito com riscos associados.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, fez alusão na sexta-feira aos combates em curso, durante o discurso comemorativo dos 46 anos da independência do país.

"Os bons jovens deste país estão em combate, neste momento. Celebram o aniversário da independência batendo duro o inimigo no terreno", referiu.

Grupos armados aterrorizam a província desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.800 mortes segundo o projeto de registo de conflitos ACLED e 732.000 deslocados de acordo com a ONU.

A violência levou a petrolífera TotalEnergies a suspender os trabalhos de preparação para a exploração de gás natural em Cabo Delgado, peça vital para o país aumentar as receitas e relançar a economia.

A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), reunida na quarta-feira em cimeira extraordinária, em Maputo, aprovou o mandato de uma "força conjunta em estado de alerta" para apoiar Moçambique no combate ao terrorismo em Cabo Delgado.

A organização não avançou detalhes sobre a força que será enviada ao país nem datas, reiterando apenas que a "missão" é apoiar as forças governamentais moçambicanas no combate à insurgência.

Ver comentários