Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Mãe gravemente ferida após lutar com crocodilo para salvar o filho em Moçambique

Mulher fez-se ao rio para lavar a loiça e tomar banho, acompanhada do seu filho menor e repentinamente a criança foi arrastada para a água por um crocodilo.
Lusa 27 de Maio de 2022 às 17:00
Crocodilo
Crocodilo FOTO: Getty Images
Uma mãe ficou gravemente ferida após lutar com um crocodilo para salvar o seu filho, que também contraiu ferimentos graves, no rio Malema, em Nampula, norte de Moçambique, anunciou esta sexta-feira fonte oficial.

A mulher fez-se ao rio para lavar a loiça e tomar banho, acompanhada do seu filho menor e repentinamente a criança foi arrastada para a água por um crocodilo.

"Fiquei desesperada quando me apercebi. Fui lá lutar e retirei o meu filho da boca do crocodilo. Ele mordeu-me os braços e o tronco, mas salvei as nossas vidas", disse a vítima, citada hoje pela Rádio Moçambique.

A mãe e o filho ficaram gravemente feridos, disse António Ipo, diretor dos serviços distritais das atividades económicas de Malema, referindo que o "crocodilo foi abatido na noite de quinta-feira".

Segundo um enfermeiro do centro de saúde do distrito de Malema, as duas vítimas estão internadas, mas fora de perigo de vida.

De acordo com António Ipo, pelo menos quatro pessoas morreram em nove ataques de crocodilos ocorridos este ano no mesmo rio.

Os incidentes com animais selvagens são comuns nas zonas rurais e as margens de rios acarretam um risco acrescido.

De acordo com os dados oficiais mais recentes, de 2020, um total de 97 moçambicanos morreram e 66 ficaram feridos só nos ataques registados (há muitos que não chegam a ser reportados) de animais selvagens, a maioria por crocodilos, segundo a Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC).

Os crocodilos atacam sobretudo nas províncias de Tete e Zambézia e foram responsáveis por 76 óbitos, equivalente a três quartos das mortes.

De acordo com o organismo, os crocodilos mataram mais pessoas em fevereiro, janeiro e dezembro, meses da estação das chuvas, que em Moçambique decorre de outubro a março.

Moçambique Malema Nampula António Ipo questões sociais interesse humano morte pessoas crime lei e justiça
Ver comentários
}