Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

PGR de Angola analisa queixa contra líder da UNITA

Antigo assessor de Savimbi acusa Adalberto Costa Júnior de colocar a sua vida em risco.
Manuela Guerreiro 18 de Outubro de 2021 às 08:26
Adalberto Costa Júnior lidera a plataforma eleitoral da Frente Patriótica Unida, que pretende derrotar o MPLA
Manifestação em Luanda
Adalberto Costa Júnior lidera a plataforma eleitoral da Frente Patriótica Unida, que pretende derrotar o MPLA
Manifestação em Luanda
Adalberto Costa Júnior lidera a plataforma eleitoral da Frente Patriótica Unida, que pretende derrotar o MPLA
Manifestação em Luanda
A Procuradoria-Geral da República de Angola deverá pronunciar-se nos próximos dias sobre a queixa por tentativa de homicídio apresentada contra Adalberto Costa Júnior, líder da UNITA destituído este mês pelo Tribunal Constitucional.

A queixa foi formalizada no final de março por Rui Galhardo, que se assume como antigo assessor de Jonas Savimbi e militante da UNITA há mais de 40 anos. Galhardo diz que a sua vida esteve em risco durante as celebrações do 55º aniversário do partido, no Uíge, a 13 de março, devido a informação posta a circular pelo então presidente do partido. Segundo o ‘Jornal de Angola’, naquele dia foi veiculado que Galhardo transportava armas de fogo para matar Adalberto Costa Júnior, informação que terá colocado em risco a vida de Rui Galhardo por estar rodeado de militantes furiosos. O militante, de 62 anos, garante que ainda esperou um pedido de desculpas antes de apresentar queixa. O próprio partido processou depois o antigo assessor de Savimbi por “expressões aleivosas” contra Adalberto Costa Júnior. Já este mês, o Tribunal Constitucional afastou o presidente da UNITA, num acórdão que Adalberto Costa Júnior diz não ter fundamento jurídico-legal, remetendo-o para um “arranjo político” visando a sua destruição.

Milhares defendem presidente deposto
Milhares de pessoas manifestaram-se sábado em Luanda, em defesa do Estado democrático, gritando "fora" ao MPLA, partido no poder desde a independência de Angola, há quase meio século, e defendendo Adalberto Costa Júnior.
Ver comentários