Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

UE financia modelo de turismo sustentável na ilha cabo-verdiana do Maio

Histórica importância do sal na vida do Maio está em destaque no novo Centro de Interpretação das Salinas do Porto Inglês.
Lusa 13 de Junho de 2021 às 14:57
Ilha Maio
Ilha Maio FOTO: GettyImages
A União Europeia (UE) vai financiar com três milhões de euros um programa de desenvolvimento da ilha cabo-verdiana do Maio, para reforçar o modelo de turismo sustentável e integrado com a comunidade local, foi este domingo anunciado.

O anúncio foi feito durante a visita conjunta que a embaixadora da UE, Sofia Moreira de Sousa, e os embaixadores dos Estados-membros residentes em Cabo Verde (Equipa Europa) estão a realizar à ilha do Maio desde sábado, juntamente com o Presidente cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, e o vice-primeiro-ministro, Olavo Correia.

A visita serviu para oficializar o encerramento do projeto de turismo solidário e comunitário da ilha do Maio, "que trabalhou na dinamização de atividades económicas tradicionais e revitalização do empreendedorismo jovem", indicou fonte da Embaixada da UE.

Ainda na ilha do Maio, em conjunto com a Câmara Municipal e parceiros da sociedade civil, como o Instituto Marquês Valle Flor (IMVF), a Associação de Defesa do Património de Mértola e a Fundação Maio Biodiversidade, foi apontado o "empenho conjunto" no programa de desenvolvimento territorial "Maio 2025", que conta com a contribuição europeia de três milhões de euros.

"Visando reforçar um modelo de turismo sustentável, este financiamento irá contribuir para a consolidação do tecido económico e social, reforçando a integração da comunidade local na economia do turismo da ilha", explicou a mesma fonte, acrescentando que o programa prevê a criação de um Centro de Negócios no Maio, a qualificação profissional de jovens, ações de conservação ambiental e o reforço da sensibilização, entre outras ações.

Nos últimos anos, através de financiamento europeu e dos Estados-membros, a ilha do Maio já beneficiou de programas de requalificação urbana, na melhoria no acesso à água e saneamento, ou pela construção de um centro de interpretação das Salinas, além da reabilitação de escolas.

A Embaixada da UE em Cabo Verde garante o investimento na ilha do Maio será continuado com o foco, nos próximos anos, "num modelo de crescimento económico verde e inclusivo", centrado no turismo verde e na criação de emprego, nas energias renováveis, no acesso generalizado à água e ao saneamento, e na economia azul.

"Com a crise da pandemia esta aposta ganha ainda maior relevância pois contribuirá para um modelo de desenvolvimento mais sustentável, podendo vir a diferenciar e potenciar o Maio em relação a outros mercados turísticos. A promoção da "Economia Verde" é uma ambição partilhada pela União Europeia e Cabo Verde", destaca a Embaixada, num comunicado sobre esta visita.

A histórica importância do sal na vida do Maio está em destaque no novo Centro de Interpretação das Salinas do Porto Inglês, inaugurado em 2019, promovido pela organização não-governamental (ONG) portuguesa IMVF, inserido no apoio da UE.

O projeto é da responsabilidade do IMVF, cofinanciado pela União Europeia e pelo instituto Camões em mais de 101 mil euros, executado em parceria com as câmaras municipais de Loures e do Maio.

Das salinas daquela ilha já foram extraídas, ao longo dos séculos e essencialmente de forma tradicional, toneladas de sal, produto que desde o século XVII colocou Maio no mapa dos comerciantes, interessados num negócio que já foi mais lucrativo quando era exportado para o Brasil.

A atividade permanece marcadamente artesanal, mas a cooperativa local, formada por mulheres da ilha do Maio e dinamizada por este projeto da ONG portuguesa, tem vindo a desenvolver novos nichos de mercado para sua comercialização, incluindo o turismo.

De acordo com fonte do IMVF, trata-se de "um espaço de dinamização cultural da ilha do Maio no âmbito do qual será divulgada e partilhada a história e cultura da ilha".

"Com especial destaque para o papel das salinas e do comércio do Sal. Serão também inaugurados um Posto de Observação de Aves e Trilhos para passeios nesta área protegida, com o objetivo de promover o turismo de natureza na ilha, valorizando as características paisagísticas e a fauna das salinas", destaca o IMVF.

O Projeto de Dinamização e Requalificação Turística na Ilha do Maio foi iniciado desde março de 2016, visando melhorar as condições de vida da população local, promovendo o empreendedorismo local e a requalificação urbana como fatores de desenvolvimento socioeconómico, turístico e cultural sustentável.

Beneficia diretamente 20 mulheres, membros da Cooperativa do Sal do Maio, ainda dez artesãos e pequenos produtores locais, seis técnicos municipais, além de apoiar 13 associações comunitárias.

Indiretamente, os promotores garantem que os 8.000 habitantes do Maio são beneficiados por este projeto, que envolveu a criação de uma salina intensiva, incluindo para banhos terapêuticos de sal, bem como a melhoria das instalações da própria Cooperativa de Sal que existe na ilha.

Ver comentários