Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

A descida em Marte como nunca se viu

NASA revelou uma imagem da perigosa aproximação do ‘Perseverance’ à superfície do planeta vermelho.
Francisco J. Gonçalves 20 de Fevereiro de 2021 às 09:26
NASA divulgou as primeiras imagens de sempre em alta definição da superfície de Marte captadas pelo ‘Perseverance’
NASA divulgou as primeiras imagens de sempre em alta definição da superfície de Marte captadas pelo ‘Perseverance’
Rpimeiras imagens de Marte captadas pelo robô Perseverance
NASA divulgou as primeiras imagens de sempre em alta definição da superfície de Marte captadas pelo ‘Perseverance’
NASA divulgou as primeiras imagens de sempre em alta definição da superfície de Marte captadas pelo ‘Perseverance’
Rpimeiras imagens de Marte captadas pelo robô Perseverance
NASA divulgou as primeiras imagens de sempre em alta definição da superfície de Marte captadas pelo ‘Perseverance’
NASA divulgou as primeiras imagens de sempre em alta definição da superfície de Marte captadas pelo ‘Perseverance’
Rpimeiras imagens de Marte captadas pelo robô Perseverance
Superada na quinta-feira a aterragem em Marte, etapa mais arriscada da missão, o rover ‘Perseverance’, da NASA, o mais sofisticado laboratório alguma vez enviado para outro mundo, estava esta sexta-feira já a recolher amostras no Planeta Vermelho, em busca de vestígios de vida. E enviou novas fotografias da chegada e da zona envolvente da cratera Jezero, foco da missão do rover.

Algumas das imagens reveladas esta sexta-feira foram captadas por um satélite e mostram o rover no momento da descida em paraquedas. O rover tem já milhares de dados no seu banco de memória, que aos poucos envia para a Terra. Nos próximos dias a NASA promete revelar mais imagens e pequenos vídeos, com som, boa parte deles mostrando a perigosa descida, os famosos ‘sete minutos de terror’, que nas últimas décadas, desde o início da exploração de Marte, nos anos 70, custaram a destruição de 60% das sondas enviadas para o planeta.

Os cientistas pensam que, se a viagem tivesse acontecido há 3,5 mil milhões de anos, o ‘Perseverance’ não estaria rodeado por um solo árido, mas sim no meio de um imenso lago de 45 km de diâmetro, alimentado por um rio caudaloso. É este cenário de sonho que o rover procura confirmar, ou infirmar, com a recolha de amostras com vestígios de vida passada no planeta, pois onde há água há geralmente vida. Mas convém lembrar que ninguém espera encontrar esqueletos de homenzinhos verdes e sim vestígios de vida microbiana.
Marte Planeta Vermelho Perseverance Jezero NASA questões sociais ciência e tecnologia
Ver comentários