Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Agressões e ameaças de morte: Milionário assassinado pelo filho menor submetia família a rotina violenta

Agressões de Fabrício à mulher e ao filho eram habituais e só o medo manteve a situação durante tanto tempo.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 7 de Agosto de 2021 às 09:58
Passado do milionário está envolto em mistério
O condomínio onde Fabrício vivia com a família
Empresário colecionava carros topo de gama
Passado do milionário está envolto em mistério
O condomínio onde Fabrício vivia com a família
Empresário colecionava carros topo de gama
Passado do milionário está envolto em mistério
O condomínio onde Fabrício vivia com a família
Empresário colecionava carros topo de gama
Funcionários da mansão em Valinhos, a 90 km de São Paulo, onde um empresário foi morto pelo filho de 14 anos ao agredir mais uma vez a esposa, confirmaram à polícia que o milionário submetia a família a rotina de violência. Os empregados e a agora viúva de Fabrício César de Oliveira disseram que nunca denunciaram o empresário porque eram ameaçados de morte.

“Os empregados confirmaram que a família vivia num ambiente de muita violência. A esposa disse que jamais denunciou a rotina de agressões porque o marido ameaçava que, se algo fosse descoberto, atentaria contra a vida dela”, afirmou o delegado João Neves Netto, da polícia de Valinhos, que concedeu liberdade ao adolescente, considerando que ele agiu em legítima defesa, dele e da mãe, quando o pai iniciou nova sessão de agressões contra eles com uma arma de fogo e uma barra de ferro.

Educado em público, Fabrício, que escondia da família condenações por burlas e o facto de já ter estado preso, em casa era um monstro, espancando constantemente o filho e a mulher, a quem, na véspera da morte, tinha enfiado uma arma na boca quando esta ameaçou sair de casa. Fabrício, que também usava outras identidades, colecionava Maseratis, Lamborghinis e outros topo de gama e cuja fortuna vai ser investigada, tinha em casa oito armas, entre elas um fuzil e uma submetralhadora, para aterrorizar a família e os empregados.
São Paulo Valinhos Fabrício César de Oliveira questões sociais crime lei e justiça morte crime
Ver comentários