Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Alpaca Gerónimo foi abatido pelo governo britânico, mas afinal não se encontrava doente

Criadora do animal pede que o ministro do ambiente George Eustice se demita.
Correio da Manhã 9 de Setembro de 2021 às 00:23
Gerónimo e Helen Macdonald
Gerónimo e Helen Macdonald FOTO: Direitos Reservados/Instagram

Gerónimo, uma alpaca que testou positivo para a tuberculose bovina, foi eutanasiado no passada dia 31 de agosto, no Reino Unido, para grande comoção da sua criadora Helen Macdonald. Mais de 140 mil pessoas assinaram uma petição para salvar Gerónimo, que recebeu apoio público até de Stanley Johnson, o pai do primeiro-ministro britânico. 

Helen Macdonald, enfermeira veterinária, nunca aceitou o diagnóstico do seu animal e parece agora que estava certa. A autópsia de Gerónimo mostrou, esta quarta-feira, que a alpaca não tinha tuberculose bovina.

Revoltada com a morte prematura da sua alpaca, a mulher quer que o ministro do ambiente George Eustice se demita. De acordo com o jornal Independent, Helen tem-se manifestado contra os governantes britânicos e acusa-os de ter torturado o animal até à morte.

"Há uma longa lista de pessoas que contribuíram para o tratamento bárbaro do Gerónimo", disse Helen garantindo que essas mesmas pessoas "terão de pagar pelo que fizeram".

Diversos veterinários concordam que o teste de Gerónimo para a tuberculose bovina deu um falso positivo. Ainda assim, o ministro britânico do ambiente continua a defender que uma autópsia mais profunda mostraria que o animal estava realmente doente, apesar de não ter sintomas.

Ver comentários