Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Amnistia Internacional acusa farmacêuticas de alimentar crise de direitos humanos

Organização não governamental considera que a maioria das empresas não dá prioridade à vacinação dos países mais pobres.
Lusa 22 de Setembro de 2021 às 07:14
Vacinas Covid
Vacinas Covid FOTO: REUTERS/Sarah Meyssonnier
A Amnistia Internacional acusou esta quarta-feira os grupos farmacêuticos que produzem as vacinas contra a Covid-19 de alimentar uma "crise de direitos humanos sem precedentes", apelando à doação de dois mil milhões de doses aos países pobres.

Num relatório sobre a covid-19 e as vacinas a organização não governamental (ONG) de defesa dos direitos humanos considera que a maioria das empresas farmacêuticas não dá prioridade aos países mais pobres.

O documento surge quando está marcada para esta quarta-feira uma cimeira mundial sobre as vacinas. O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu anunciar compromissos suplementares para apoiar a vacinação nos países menos desenvolvidos do mundo.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Internacional Amnistia Internacional política questões sociais direitos humanos organizações internacionais
Ver comentários