Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Bolsonaro sobrevoa de helicóptero manifestação que pede ditadura militar no Brasil

Presidente brasileiro optou por participar no ato anti-democrático e mostrar o seu apoio aos radicais no ar.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 2 de Maio de 2021 às 16:52
presidente brasileiro, Jair Bolsonaro
Bolsonaro sobrevoa de helicóptero manifestação que pede ditadura militar no Brasil
presidente brasileiro, Jair Bolsonaro
Bolsonaro sobrevoa de helicóptero manifestação que pede ditadura militar no Brasil
presidente brasileiro, Jair Bolsonaro
Bolsonaro sobrevoa de helicóptero manifestação que pede ditadura militar no Brasil

Num novo ato explícito contra a Democracia, o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, acompanhou de helicóptero em Brasília uma das manifestações realizadas este fim de semana em vários estados do Brasil apoiando o seu governo e pedindo o regresso de uma ditadura militar ao Brasil, comandada por ele. Ao todo, ocorreram manifestações semelhantes em 11 dos 27 estados brasileiros.

Na manifestação de Brasília, que, segundo os organizadores, reuniu cerca de cinco mil pessoas vestidas com roupas verdes e amarelas, as cores nacionais brasileiras, faixas diziam "Eu autorizo, presidente". Era uma resposta a declarações feitas dias atrás por Bolsonaro de que só esperava uma autorização do povo para mandar as Forças Armadas para as ruas e desencadear o que chamou de medidas duras para garantir o direito de ir e vir e o direito ao trabalho dos brasileiros que, segundo ele, estão cerceados pelas medidas de restrição adotadas por governadores de estado e autarcas por todo o Brasil contra o avanço da Covid-19.

Evidenciando o cariz anti-democrático desses atos, em Brasília, São Paulo, Belo Horizonte e Recife, entre outras grandes cidades onde eles aconteceram, várias faixas pediam explicitamente uma intervenção militar para garantir a permanência de Jair Bolsonaro no poder indefinidamente e com poderes irrestritos. Outras faixas pediam o encerramento do Supremo Tribunal Federal e do Congresso, o que, pela Constituição brasileira, é crime.

Evitando ir à manifestação em solo, como fez nos meses de março e abril do ano passado, por ter sido alertado de que a sua presença poderia ter consequências graves, Jair Bolsonaro optou por participar no ato anti-democrático e mostrar o seu apoio aos radicais no ar. Dois helicópteros da presidência da República, numa despesa desnecessária paga com dinheiro dos impostos dos cidadãos, uma aeronave com Bolsonaro e o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, e a outra com seguranças, sobrevoaram durante cerca de 40 minutos a manifestação extremista, ante aplausos da multidão ao presidente.
Ver comentários