Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Boris Johnson considera acordo da COP26 "histórico", mas admite que resta "muito por fazer nos próximos anos" 

Primeiro-ministro britânico disse esperar que a cimeira seja recordada "como o início do fim das alterações climáticas". 
Lusa 13 de Novembro de 2021 às 22:19
Boris Johnson na COP26
Boris Johnson na COP26 FOTO: Reuters
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, considerou "histórico" o acordo este sábado adotado em Glasgow na cimeira do clima das Nações Unidas, mas admite que resta "muito por fazer nos próximos anos" para travar as alterações climáticas.

"Ainda há muito mais a fazer nos próximos anos. Mas o acordo de hoje é um grande passo em frente e, crucialmente, temos o primeiro acordo internacional para reduzir o carvão e um roteiro para limitar o aquecimento global a 1,5 graus" celsius, disse Boris Johnson num comunicado.

O chefe do governo britânico disse esperar que a 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26), realizada sob presidência britânica, seja recordada "como o início do fim das alterações climáticas". 

Decisores políticos e milhares de especialistas e ativistas reuniram-se ao longo de duas semanas para atualizar os contributos dos países para a redução das emissões de gases com efeito de estufa até 2030 e aumentar o financiamento para ajudar países afetados a enfrentar a crise climática.

A COP26 adotou formalmente uma declaração final com uma alteração de última hora proposta pela Índia que suaviza o apelo ao fim do uso de carvão.

A alteração foi proposta pelo ministro do Ambiente indiano, Bhupender Yadav, que no plenário de encerramento da COP26 pediu para mudar a formulação de um parágrafo em que se defendia o fim progressivo do uso de carvão para produção de energia sem medidas de redução de emissões.

A proposta acabou por ser aprovada pelo presidente da cimeira, Alok Sharma, que afirmou de voz embargada "lamentar profundamente a forma com este processo decorreu".

O documento final aprovado, que ficará conhecido como Pacto Climático de Glasgow, preserva a ambição do Acordo de Paris, alcançado em 2015, de conter o aumento da temperatura global em 1,5ºC (graus celsius) acima dos níveis médios da era pré-industrial.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, comentou o acordo alcançado em Glasgow alertando que apesar de "passos em frente que são bem-vindos, a catástrofe climática continua a bater à porta". 

Boris Johnson Reino Unido COP26 ONU temperatura alterações climáticas clima
Ver comentários