Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Borrell defende mais peso para relações entre União Europeia e América Latina

"Partilhamos valores e instituições políticas", lembrou o Alto Representante da União Europeia para a Política Externa.
Lusa 1 de Novembro de 2021 às 22:26
Alto Representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell
Alto Representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell FOTO: Olivier Hoslet/Pool via REUTERS
O Alto Representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell, defendeu esta segunda-feira que a América Latina deve ter mais peso nas relações exteriores do bloco comunitário, na véspera do início do seu primeiro périplo pela região, no Peru.

"A começar a minha primeira digressão pela América Latina na capital peruana. A União Europeia (UE) deve dar à América Latina mais peso nas suas relações exteriores, como parceiros no sistema multilateral e como destino comercial e de investimento. Partilhamos valores e instituições políticas", escreveu Borrell na rede social Twitter.

A viagem, a sua primeira deslocação à América Latina desde que assumiu o cargo de chefe da diplomacia europeia, tem por objetivo "fortalecer tanto as relações bilaterais como a cooperação regional" e levá-lo-á inicialmente ao Peru e depois ao Brasil.

Borrell reunir-se-á em Lima com o Presidente do país, Pedro Castillo, bem como com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Óscar Maúrua, e com a presidente do Congresso, María del Carmen Alva, além de com representantes da sociedade civil.

Em 3 de novembro, seguirá para o Brasil, onde no mesmo dia se reunirá com representantes do setor privado em São Paulo e, no dia seguinte, em Brasília, com os ministros dos Negócios Estrangeiros, Carlos Alberto Franco França, e da Defesa, Walter Braga Netto, e com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

O responsável da diplomacia europeia tem também agendadas reuniões com outros representantes do Governo brasileiro e de centros de estudos e também visitar o centro que o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) tem em Brasília para acolher os migrantes venezuelanos.

Ver comentários